segunda-feira, 27 de agosto de 2012

PECADOS DE ATITUDE


O RETORNO À SANTIDADE 
  
Faze-me ouvir a tua benignidade pela manhã, pois em ti confio; faze-me saber o caminho que devo seguir, porque a ti levanto a minha alma.  Texto Áureo: Sl 143:8                                   


     Quando Deus examina nossas vidas, Ele não somente vê as ações exteriores, Ele vê especialmente a atitude por trás delas. De fato, muitas vezes a maneira como se faz alguma coisa tem tanto peso quanto o que é dito. Deus está muito interessado com as atitudes dos nossos corações. Nós sempre queremos que Ele faça as coisas para nós, mas não estamos preocupados em fazer algo para Ele.
(Ap. 3:15-16) diz:”Conheço as suas obras, sei que não és frio ou quente! Assim, porque você é morno, não é frio nem quente. Vomitar-te-ei da minha boca.”
A atitude morna literalmente causa náusea a Deus. Nós devemos entender que a raiz de todo pecado é a falta de um amor fervoroso por Cristo; é amar e adorar a si próprio e não a Deus.
A essência da adoração é prostrar-se diante de Deus em genuína reverência e submissão. Muitos crentes têm-se esquecido da santidade e majestade de Deus. (2 Pe 3:14).
(Sl 51:17b) “Um coração quebrantado e contrito, ó Deus, não desprezarás.”
O orgulho é um pecado tão refinado que muitas vezes passa despercebido. Talvez a pior forma de orgulho na vida de uma pessoa seja uma atitude de satisfação espiritual, que vê pouca necessidade de purificação e crescimento.
O verdadeiro avivamento começa sempre com uma atitude de humildade e quebrantamento com relação ao pecado. (2Cr 7:14).
- Você gasta tempo diariamente com Deus para permitir que ele sonde profundamente a sua vida ou você sente que não precisa de muita purificação?
- Você fica realmente quebrantado e contrito por causa dos seus erros ou você pensa: “Ora, ninguém é perfeito!”
- Você está realmente ansioso para ver o poderoso mover de Deus ou está satisfeito do jeito que está?
- Você está quase sempre tentando consertar os outros?
O pecador não quer admitir que pecou e resiste ao processo que o levaria a ter convicção de pecado. Ele diz: “Não pequei”, quando deveria dizer exatamente o contrário “pequei.” (Lc 18:1-14). Tais pessoas preferem fugir a vida inteira da justiça divina; a semelhança de Caim “serei fugitivo e errante pela terra” (Gn 4:14).
- Como igreja: estamos ansiosos para ver o mover de Deus ou estamos satisfeitos do jeito que está?
- Deus odeia marasmo espiritual! (Is 40:29).
- Precisamos de um coração com espírito de humildade e contrição verdadeiras!
Como está nossa atitude em relação ao outro? (Fp 2:3-4; 1Co 10:24; Tg 3:14-15). Não somos superiores a ninguém, (1 Pe 5:5). Devemos ter atitude de humildade.
É importante rejeitar os pecados de preconceito e parcialidade, porque cada pessoa tem grande valor para Deus. Como crentes, como estamos agindo? (Tg 2:1,4).
A todo homem é dado dignidade e igualdade pela cruz de Cristo, uma vez que Ele morreu por todos.( Jo 3:17).
     E o exercício da nossa fé, como está?   A falta de fé é um dos pecados mais mortais que um cristão pode cometer. (Rm 3:28). A descrença interrompe o fluir do poder de Deus na vida do crente. Por causa da falta de fé, muitos crentes vivem fracos e derrotados, e muitas orações não são atendidas. (Mt 13:58).
     Dúvidas, preocupações, ansiedade, desconfiança, decepções: O que tem abalado sua fé? O que tem afastado os crentes da igreja? (A brasa fora do fogo tende-se a apagar).
Há ainda um amor verdadeiro, um amor de irmão em Cristo?
Deus nos prometeu plena paz, (Is 26:3). Se nossa personalidade e nossa diretriz se voltarem para Deus, teremos a presente e eterna paz com Deus. (J0 14:27). Onde Cristo está: ali há paz! Deixemos Cristo entrar na nossa vida! Na nossa igreja! E tenhamos atitudes de servos que agrada o coração de Deus. Amemos uns aos outros com o amor que Ele nos amou. (Ef 4:2).
     A atitude do crente cheio do espírito é a bondade, a dedicação. O crente carnal é crítico, e tem atitude negativa.
O crente manso e quieto tem grande valor para Deus. (1 Pe 3:4).
O que dizer desta frase? “Eu não posso fazer nada, eu sou assim, é a minha personalidade!” E aí?
O mover do amor é muito importante na igreja, para que possa refletir tal atitude no mundo. (Mt 5:44).
Como está nossa atitude do perdão? Temos perdoado? Ou... deixa pra lá!
Ler (1 Jo 2:15-16), nos chama a atenção da atitude que infelizmente até crentes estão deixando se levar, que é o materialismo e o mundanismo. Às vezes tem chegado a nossas igrejas de forma sutil e muitos acham normal. Cuidado!   
- Jesus Cristo está no controle de sua vida e atitudes? Será? (Hb 13:5)
- Estamos contentes com que Deus nos deu?
- Deus tem dirigido todos os espaços de nossas vidas? (Cl 2: 6; Hb 4:16).

Meditar:
  • Você pode sinceramente caracterizar seu amor e serviço a Deus como fervoroso, apaixonado?
  • Em uma escala de 0-10, onde você estaria no seu zelo por Cristo?
  • Houve um tempo em que você amou e serviu a Deus de modo mais ardente do que agora?
  • Se você sente que está morno, confesse honestamente seu pecado a Deus, somente o Espírito Santo pode lhe dar um amor puro fervoroso por Jesus. Se estais morno: Ore com fé e sinceridade. Ele perdoará e dará um novo coração. (Ez 36:26).
“Deus se opõe aos orgulhosos, mas concede graça aos humildes.” (1 Pe 5:5c).

Nosso Deus é Pai! Repensemos nossas atitudes!!!

Não perca!


quinta-feira, 23 de agosto de 2012

PECADOS DE PENSAMENTO


 O RETORNO À SANTIDADE


Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração.     Texto Áureo Hb 4:12                     

“A santidade é o centro dos atributos de Deus.  De todas as coisas que Ele é, em essência, Deus é Santo.” Wayne Grudem

“O poder é a mão ou o braço de Deus, a onisciência os seus olhos, a misericórdia as suas entranhas, a eternidade a sua duração, mas a santidade é a sua beleza.” S. Charnock

Para termos uma vida de santidade, precisamos purificar algumas áreas de nossas vidas: 0 primeiro ponto é o Pecado de Pensamento. 

Precisamos começar nossa jornada com a purificação da mente e do coração. O pecado começa no coração e na mente. (Mt 15:19)
Até que seus pensamentos estejam sob controle de Deus, você não experimentará a vida abundante em Cristo. Não é a toa que satanás ataca nossas mentes com pensamentos inapropriados, pecaminosos. O diabo sabe que se ele puder desenvolver fortalezas em nossos pensamentos, ele facilmente nos levará a pecar e a separar-nos do poder de Deus.

A importância de submeter nossas mentes totalmente a Cristo. (Pv 23:7). Em outras palavras, o que você pensa é uma grande parte do que você é!
Para começar sua jornada de purificação, o primeiro pecado a vencer é a dúvida sobre a salvação. Esta dúvida não pode agradar a Deus.
Três verdades relevantes nos textos abaixo:
1 - Muitos do que pensam que são salvos descobrirão que não conhecem a Deus. (Mt 7:22-23);
2 - A salvação consiste em conhecer a Cristo num relacionamento pessoal transformador. (Jo 17:3);
3 - Pessoas salvas têm uma forte certeza sobrenatural da sua salvação. (Rm 8:16).
Se você tem alguma dúvida sobre sua salvação, esteja certo de que Deus quer lhe dar esta certeza. (1 Jo 5:13). Ele não quer você mais nenhum dia sem esta certeza. O evangelho de João foi escrito para despertar a fé – a primeira epístola foi escrita para dar certeza da fé.
Analisando outras áreas importantes de pensamento:
“Destruímos argumentos e toda pretensão que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levamos cativos todo pensamento, para torná-lo obediente a Cristo.” (2 Co 10:5).
Cuidadosamente e honestamente reflita nos tipos de pensamento que ocupam a sua mente!
- A sua mente está cheia de pensamentos acerca de Cristo ou está consumida com questões terrenas?
- Pensamentos libidinosos, impuros, frequentemente ocupam sua mente?
- Você pensa muito mais em seu trabalho ou lazer do que em seu crescimento espiritual e em servir a Cristo?
- Você tem pensamentos que teria vergonha se outros soubessem deles?

     A memorização das escrituras fornecerá uma arma potente para remoção de pensamentos inadequados.
Cada vez que um pensamento impuro aparecer, você deve substituí-lo por versículo e por oração. (CL 3:1-3). Buscai, pensai. Toda nossa ambição além da morte seria descobrir e explorar as riquezas nas regiões celestiais, (Ef 1:3). Deve ser nossa aspiração.
Jesus e sua obra deveriam ocupar o primeiro lugar em nossos pensamentos e preocupações diárias. Se tens paixão por Cristo, sua mente estará cheia de pensamentos com relação a servi-lo, ( Mt 22:37). Não há muitos deuses, mas um Senhor, que é soberano e sem igual. Devemos a Ele a lealdade que é a base das demais coisas.
Textos: (Sl 1:2; 119: 15-16). Baseado nas escrituras, afirmamos que a vontade de Deus é que cada crente esteja saturando sua mente com versos-chave. Encher a mente com as escrituras não ocorrem por acidente. Você tem que escolher fazer esconder a palavra de Deus no seu coração diariamente. Seu deleite não está nos prazeres deste mundo, mas na Palavra de Deus. (Sl 119:11).
A busca intensa de santidade deve ser a prioridade principal na vida pessoal de todo cristão. De fato, a busca de santidade é uma atitude mental espiritual. A palavra grega “busca”, significa perseguir intensamente ou com paixão. Se alguém está cheio do espírito, haverá uma sede incontrolável de experimentar a santidade de Cristo em cada canto do seu SER. (Rm 12:2). Mente nova.
Faça um compromisso com Deus de estudo e oração, (Jo 15:7); (Fp 4:8).

Meditar:
- O que estou pensando agora?
- Como estar mais próximo de Deus?
- É desejo meu, me apresentar a Deus com mente sã?
Que o próprio Deus, nos faça entender a cada dia seus desígnios para cada um de nós.

                                                      

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

FIQUE LIGADO PRÓXIMOS EVENTOS REGIONAIS





“Perdi minha Voz”


Fonte: REVISTA ENFOQUE GOSPEL
 EDIÇÃO 85 > ESPECIAL DE CAPA
Dor, milagre e cuidados de uma cantora

Alomara Andrade
Nos últimos sete meses, a cantora Eyshila viu sua vida e ministério passarem por uma revolução. Com uma agenda de apresentações sempre cheia nos últimos anos, uma simples rouquidão na voz evoluiu para nódulos, depois para um cisto até que uma intervenção cirúrgica foi inevitável. E, com a cirurgia, o medo de perder a voz e não mais poder exercer o dom que recebeu de Deus e com o qual tem abençoado tantas vidas. Eyshila foi operada. Mas sua voz não voltou. Um granuloma foi diagnosticado. No lugar do medo, porém, surgiu uma prova de fé. “Posso até fi car sem voz, mas meu coração jamais vai deixar de adorar ao Deus que amo”, afirma Eyshila, que é membro da Assembléia de Deus da Penha (RJ).
Hoje, a cantora, que está lançando seu DVD “Até Tocar o Céu”, compartilha com Enfoque todo ensinamento que assimilou com seu drama. Como recebeu os diagnósticos, a recepção da família, amigos e público, o apoio do marido, pastor Odilon, e dos fi lhos Matheus e Lucas. “Custei a admitir que poderia haver algum problema mais sério. Na verdade, relutei bastante até procurar meu médico. Mas percebi que não podia mais adiar esse encontro com a realidade”, confessa, revelando um testemunho de cura, sim! Mas também um alerta para que as pessoas identifi quem seus limites e aprendam a conservar o templo do Espírito Santo perfeito para que Deus possa usá-lo conforme Sua vontade.

VOCÊ ESTÁ CURADA?
Sim, estou. Ainda tenho que cumprir um tempo indeterminado de repouso e fonoterapia até que minhas cordas vocais voltem a funcionar perfeitamente. Mas estou curada, graças a Deus!

COMO FOI DESCOBRIR UM PROBLEMA TÃO SÉRIO?
Foi difícil e frustrante. A Bíblia diz que ao “homem pertencem os planos do coração, mas do Senhor vem a resposta da língua”. Eu tinha muitos planos para o início desse ano de 2008, mas Deus tinha outros. Embora eu saiba que o tempo e o modo de Deus são sempre perfeitos, é difícil aceitar Sua vontade quando ela foge daquilo que idealizo para mim. Por mais que tenhamos fé, sempre vamos nos deparar com situações em que a vontade de Deus se choca com a nossa e temos que aceitá-la e seguir, ou rejeitá-la e morrer.
Escolhi obedecer e viver. Aceitar o fato de que, mesmo sendo filhos amados do Senhor, dono do universo e criador de todas as coisas, habitamos em um corpo mortal, que a Bíblia chama de tabernáculo. E enquanto estivermos limitados a esse espaço e a esse plano físico, estaremos sujeitos a enfermidades e até à morte. O apóstolo Paulo faz recomendações a seu fiel amigo Timóteo acerca de suas constantes enfermidades em 1 Tm. 5:23. Creio em cura divina, no poder de Deus, mas creio também que, se pela permissão de Deus tivermos que enfrentar enfermidades, nosso Deus continua no trono, continua soberano, fi el e nos amando como sempre amou. Minhas lutas não diminuem quem Deus é pra mim.

VOCÊ CONSEGUIU ADMITIR DE IMEDIATO QUE ESTAVA DOENTE OU FUGIU DA REALIDADE?
Ano passado foi um tempo muito abençoado, mas também muito corrido. Gravei o CD “Amigas”, com a Fernanda Brum, gravei o meu primeiro CD em espanhol “Hasta Tocar el Ciello” e, por fi m, gravei o DVD “Até Tocar o Céu”, na Praia de Iracema, em Fortaleza (CE). Toda essa correria exigiu muito esforço físico e mental. Ao fim de 2007, eu me senti esgotada. Percebi que estava com uma rouquidão crônica que não passava nem mesmo com repouso absoluto. Passei o mês de janeiro inteiro de férias e não melhorei. Custei a admitir que poderia haver algum problema mais sério. Na verdade, relutei bastante até procurar meu médico. Até que senti que não podia mais adiar esse encontro com a realidade.

QUANDO SENTIU QUE ERA HORA DE PARAR PARA SE TRATAR?
Desde que percebi que minha rouquidão era crônica, diminuí o ritmo de minha agenda. Pensei que esse tempo seria sufi ciente para que a minha voz voltasse ao normal, mas estava enganada. Resolvi procurar meu otorrinolaringologista, doutor Marcos Sarvat, que detectou alguns nódulos que, segundo ele, regrediriam com um tratamento fonoterápico. Mas não percebi melhora alguma. Então, por indicação de minha fonoterapeuta, voltei ao médico e fiz uma nova videolaringoscopia, que revelou um cisto. Foi quando o médico disse que meu caso era cirúrgico.

QUE REAÇÃO TEVE SUA FAMÍLIA E AMIGOS?
Fui com a Liz Lanne, minha irmã, e com a Marli, uma grande amiga, fazer o exame. Todas nós saímos daquele consultório perplexas, confusas e, ao mesmo tempo, confi antes no Deus a quem servimos. Lembrome de que fi quei um bom tempo em silêncio durante o trajeto de volta para casa. Comecei a falar com o Senhor e a escrever uma canção. Fiquei calada na esperança de que Deus me desse uma resposta, uma explicação para aquilo que eu estava vivendo. E Ele, de fato, falou comigo, enquanto minha caneta deslizava naquele papel.
Mas, sabe de uma coisa? Tenho aprendido com o pastor Silas Malafaia que há momentos em que Deus não nos livra da cova, mas Ele nos livra na cova. Daniel foi lançado sozinho na cova dos leões. Seus amigos, por mais fi éis que fossem, não puderam livrá-lo. Nem mesmo o rei pôde evitar aquele momento na vida de Daniel, a quem ele tanto considerava. Há situações que realmente fogem do nosso controle e o nosso único meio de escape é a nossa fé. Aqueles que nos amam podem até sofrer conosco, chorar conosco, orar por nós, mas não podem evitar as nossas covas, porque elas também são permitidas por Deus. A Bíblia diz no livro de Daniel 6:23, que Daniel saiu daquela cova sem nenhum ferimento, porque confi ou no Senhor seu Deus. A fé de Daniel foi a arma de defesa naquele momento inevitável de sua vida.

Apoio da família: o esposo pastor Odilon e os filhos Lucas e Matheus sempre ao lado da cantora

VOCÊ SENTIU MEDO DE NUNCA MAIS VOLTAR A CANTAR?
Lembro-me de que quando cheguei em casa, abracei meu marido e disse: “Amor, o médico disse que meu caso é cirúrgico. E agora, o que vamos fazer?” E ele me disse: “Vamos orar. O que quer que Deus nos ordene, nós faremos. Se Ele quiser te curar hoje, nós sabemos que Ele tem poder para isso. Mas, se Ele quiser que você passe pelas mãos dos médicos que Ele mesmo capacitou e dotou de sabedoria, vamos acatar Sua vontade. Aquiete o seu coração”. A partir dali, começamos a pedir direção ao Senhor nesse sentido. E chegamos à conclusão de que era da vontade dEle que eu fosse operada.
Pela primeira vez na vida tive um vislumbre do que é passar pelo vale da sombra da morte. Tive muito medo. Quem disse que crente não tem medo é mentiroso. Tenho aprendido que o medo é uma realidade até mesmo na vida do crente. O que não podemos é nos deixar dominar pelo medo. Não podemos permitir que se transforme em pavor, que nos paralise e nos impeça de reagir, avançar e seguir em direção ao nosso objetivo.
Tive medo de um erro médico, tive medo da minha voz mudar muito, tive medo da anestesia. Enfim, fui atacada por vários temores, mas não fui vencida por eles. Não permiti que eles infl uenciassem minha decisão e que eu tinha convicção de ser a decisão de Deus. Um dia antes da cirurgia, tranquei a porta do meu quarto e coloquei bem alto um louvor a Deus. Era uma canção do Fernandinho e falava sobre cura. Comecei a tomar posse daquela palavra para minha vida. Quando percebi, já estava com o rosto no chão, adorando e chorando aos pés do meu Senhor. Naquele momento, fi z a Ele uma entrega total e absoluta da minha voz. Entendi que Deus estava querendo de mim algo mais precioso do que minha voz. Ele estava me pedindo o meu tempo.
Passei a entender a razão da cirurgia. Se eu fosse operada, teria que cumprir um período maior de repouso, período que eu jamais conseguiria respeitar sem estar operada. Deus queria me calar para poder falar comigo. Ele precisava que eu me aquietasse para entender o que há de novo para mim nesse tempo.
Então, as coisas se tornaram claras para mim. Alguns momentos depois, recebi um telefonema da Fernanda Brum. Ela estava em um congresso da Lagoinha, junto com a Ana Paula Valadão e me disse: “Eyshila, compartilhei com a Ana o seu problema e ela orou pelas minhas cordas vocais como se estivesse orando por você. E a palavra que ela mandou que eu ministrasse a você é a seguinte: “não tema”! Se você vai passar pelas mãos dos médicos é para que a sua voz fi que ainda melhor do que antes. E fi que sabendo que esse deserto que você vai atravessar tem começo, meio e fim. Assim como Jesus passou 40 dias no deserto, você também vai cumprir esse tempo determinado por Deus. Mas satanás não vai adiar nenhum minuto sequer o dia da tua vitória”. Aleluia! Esse é o Deus que eu amo. Firmada nessa palavra, fi quei livre dos temores e me lancei nos braços do meu Deus para que a Sua vontade fosse realizada.

EM ALGUM MOMENTO VOCÊ PENSOU QUE PODERIA PASSAR POR ISSO?
No ano de 2000, quando eu estava gravando o meu CD “Deus Proverá”, tive dois nódulos nas cordas vocais, os quais regrediram apenas com a fonoterapia. Naquela época eu adquiri alguns bons hábitos de voz e passei a usar de uma forma mais responsável esse instrumento que Deus me deu. Na verdade nunca pensei que fosse passar por esse problema novamente e, muito menos, que ele pudesse se agravar a ponto de se tornar um caso cirúrgico.

VOCÊ CHEGOU A QUESTIONAR A DEUS: “POR QUE EU”?
É claro que sempre ficamos confusos quando Jesus nos chama para uma viagem e, no meio dela, acontece uma tempestade. Os discípulos de Jesus também se sentiram assim. E eles chegaram a perguntar: “Mestre, não Te importa que pereçamos?” Jesus parecia indiferente naquele momento de perigo. Mas na hora certa, simplesmente ordenou que o vento e o mar se aquietassem. Confesso que passei por momentos de questionamento. Cheguei a dizer: “Senhor, se Tu me deste essa voz para Te adorar, por que Tu estás me privando dela agora quando o mundo mais precisa que eu pregue a Tua palavra?”
Cheguei a pensar que era o fim, que Deus tinha outro chamado para mim que não o louvor. Mas logo esses pensamentos foram dissipados no decorrer de um tempo de solidão na presença do meu amigo Espírito Santo. Ninguém melhor do que Ele para nos consolar e edifi car nesses momentos de incerteza. Nem tudo Deus explica para nós. Mas Ele nos prometeu que jamais nos deixaria órfãos. Prometeu um consolador, o Espírito Santo.
Se eu pudesse compreender todos os caminhos de Deus, Ele não seria o meu Deus. Eu é que seria o Deus dEle. Mas, porque Ele é Deus, Seus caminhos são mais altos do que os meus caminhos e Seus pensamentos mais altos do que os meus. Mesmo quando não entendo as razões, sei que há um motivo justo e coerente, que Deus pode me revelar ou não. Então, faço minhas as palavras do profeta Isaías: “Tu, Senhor, guardarás em perfeita paz aquele cujo propósito está firme porque confi a em Ti. (Is. 26:3).

COMO VOCÊ SE PORTOU FRENTE AOS DIAGNÓSTICOS PESSIMISTAS? QUAL FOI SEU CONSOLO?
O pior momento foi depois da cirurgia, quando tentei falar e minha voz simplesmente não veio. Cumpri o tempo de silêncio. Aproximadamente cinco dias sem dar uma palavra. Quando fi nalmente chegou a hora de falar, não escutei nem sinal da minha voz. Minha secretária ligou para doutor Marcos e perguntou se isso era normal. Ele disse que sim e que eu deveria esperar o dia da consulta para avaliarmos melhor. Dez dias depois, lá estava eu. Por meio de um exame de videolaringoscopia, foi detectado o surgimento de um granuloma pós-operatório, uma espécie de reação pós-cirúrgica não muito comum entre os casos simples como o meu, mas que, infelizmente, aconteceu.
O médico me receitou alguns remédios, vaporização e repouso. Segui tudo rigorosamente. Quando retornei ao consultório, o granuloma estava no mesmo lugar. Foi quando ele me disse que eu teria que ser operada novamente para a remoção desse granuloma, que era muito maior do que os nódulos que haviam sido removidos. Acho que saí de lá pior do que da primeira vez. Por essa eu não esperava.
A cirurgia foi marcada para o dia 29 de abril, aniversário do meu marido. Fomos para casa, eu e o Odilon, mais uma vez entregues à vontade do Senhor. Não compreendíamos porque aquilo estava acontecendo, se havíamos obedecido Sua voz, mas decidimos orar e perguntar a Deus se essa segunda cirurgia era de Sua vontade. Durante esse tempo, encontrei consolo na presença de Deus, na Sua palavra e em muitas canções que escutava o dia inteiro. Minha família e amigos também foram de suma importância para mim.
O Matheus e o Lucas, meus filhos, passavam o dia todo com um caderninho, escrevendo coisas lindas para mim, sendo solidários com meu silêncio. Durante esse tempo, também fomos presenteados por Deus com uma grande notícia: Odilon foi consagrado pastor. Ficamos muito agradecidos a Deus e essa notícia foi essencial para a minha decisão de não mais operar.
A cirurgia seria no dia 29 de abril e a consagração do Odilon no dia 2 de maio. Ou seja, no dia de uma das maiores vitórias de nossas vidas, eu teria que ficar muda em casa, sem dar um “Glória a Deus”, mesmo que baixinho, por esse momento, tão prometido por Deus, na vida de meu marido, que por 10 anos foi escravo da cocaína e quase morreu diversas vezes nas mãos do diabo. Deus jamais me impediria de celebrar esse momento. Fui ao médico e disse que não iria me submeter à operação,mas esperaria o agir de Deus. Dez dias depois, voltei ao consultório e o granuloma havia desaparecido completamente, sem deixar marcas ou seqüelas. Minhas cordas vocais ficaram novas outra vez.


Curada, Eshyla compartilha as lutas e vitórias e sente-se mais forte espiritualmente para cantar
COMO FOI PASSAR POR ESTE VALE DE QUASE SETE MESES SEM PODER MINISTRAR? QUAIS AS BÊNÇÃOS DESSE DESERTO?
Baseada em todas as verdades que aprendi no decorrer desse vale, posso avaliar esse tempo de silêncio como um grande presente de Deus. Sinto que coisas grandes estão para acontecer. Grandes mudanças e realizações. Preciso me preparar para o “novo” de Deus que já começou em minha vida. Deus me atraiu para o deserto para falar comigo com carinho, como está escrito em Oséias 2:14. O deserto não é o lugar onde os sonhos morrem, mas onde eles se realizam. Deus não nos leva para o deserto para nos destruir, mas para nos ensinar e nos preparar para conquistar.
Olhando para trás, percebo que tenho recebido de Deus muito mais do que jamais esperei. Mas o Deus do ‘infi nitamente mais’ é invencível no abençoar e Ele sempre tem muito mais para Seus fi lhos amados. Estou há quase seis meses sem cantar, mas tenho sido tratada por Deus de forma muito particular e secreta. Ele tem me sustentado. Nada tem me faltado. Descobri que posso sobreviver sem cantar sete dias na semana, 30 dias no mês, 365 dias por ano. Posso todas as coisas nAquele que me fortalece. Posso até fi car sem voz, mas o meu coração jamais vai deixar de adorar ao Deus que eu amo.

VOCÊ SEMPRE FOI DISCIPLINADA E CUIDADOSA COM A VOZ? COMO ERA SUA AGENDA?
Tenho aprendido que não estou no controle. Isso é tão obvio, mas parece que nos esquecemos desse detalhe tão importante. Outra lição aprendida foi: mesmo seguindo o caminho estabelecido por Deus, posso passar por difi culdades e provações. Aliás, estreito é o caminho que conduz à salvação, diz a Palavra de Deus.
Mas acho que a maior de todas as lições que aprendi foi que não posso e não devo querer abraçar o mundo. Tenho visto uma geração de cantores doentes no corpo, na alma e no espírito, porque não descansam. Adoradores que levam multidões a adorar, mas não sabem mais o que é adorar em secreto, porque não têm tempo, afi nal eles têm uma agenda a cumprir. Ensinam os outros a viver uma realidade que eles não conseguem mais viver, porque o cansaço não deixa. Isso é falta de domínio próprio, que é um fruto do Espírito, como está registrado em Gálatas 5:22.
Não podemos abandonar nossas famílias, amigos e igrejas e ainda colocar a culpa na obra de Deus, porque Ele jamais desejou que fôssemos seres humanos solitários, vivendo de forma isolada e egoísta, como se viajar para fazer a obra e vender muitos CD fosse tudo o que temos e tudo o que somos.

O QUE DEUS TE ENSINOU NESSE TEMPO?
Acho que poderia ter tido maiores precauções com esse instrumento que é minha voz. Somos totalmente responsáveis por aquilo que Deus nos dá, e um dia daremos conta de tudo o que recebemos do Senhor. Lembro de que durante meu exame, o médico disse que eu teria que aprender a dizer não. Sempre achamos que podemos avançar um pouco mais, dormir um pouco menos, assumir mais um compromisso e, assim, vamos vivendo.
A voz não é um aparelho que você liga e carrega na tomada. Para que eu me recupere de uma semana carregada de compromissos, preciso de, pelo menos, uma semana de repouso absoluto. E isso pode variar para mais ou para menos, dependendo dos limites de cada pessoa. Se não respeitarmos nossos próprios limites, como poderemos esperar que outros respeitem?
Certa vez, Jesus disse aos seus discípulos: “Vigiem e orem para que não caiam em tentação. O espírito está pronto, mas a carne é fraca”. Ele estava indignado porque seus amigos não conseguiam fi car acordados, orando com Ele naquele momento tão difícil de Sua vida, o momento que antecedia sua crucifi cação. Até hoje, Jesus se depara com discípulos que dormem ao invés de vigiar. Dormem por vários motivos, mas um deles é porque estão exaustos. Não entendem que há tempo para tudo, inclusive para o descanso e para a família. Quantos meses passei sem tirar um fi m de semana sequer para estar com meus filhos! Quantas semanas cheguei em casa somente para refazer malas! Acho que temos que cumprir o “ide” de Deus, mas precisamos parar de querer abraçar o mundo e sacrifi car nossas saúde e família.


Oração, estudo bíblico e comunhão sempre são prioridade no tempo da família

O QUE TEM A COMPARTILHAR COM OUTROS CANTORES, PASTORES, EVANGELISTAS... ENFIM, CRISTÃOS QUE USAM A VOZ COMO INSTRUMENTO DE PROPAGAÇÃO DO EVANGELHO?
Oro para que tenham boa saúde e tudo lhes corra bem, assim como vai bem a sua alma (III João versículo 2). Cuidem-se! Somos corpo, alma e espírito. Precisamos respeitar nossos limites. Não pensem que são invencíveis só porque estão fazendo a obra de Deus. Quem usa a voz, para pregar, ensinar, cantar ou tudo ao mesmo tempo, deve visitar regulamente um otorrinolaringologista. Façam exames e obedeçam às orientações. Assim como precisamos nos preparar espiritualmente para as provas que certamente virão, também precisamos nos prevenir contra os males que podem paralisar esse corpo mortal no qual vivemos. Procure descobrir seu limites e não tente ultrapassá-los. Faça a sua parte e Deus fará a dEle.

VOCÊ JÁ VOLTOU A CANTAR?
Ainda não tenho permissão para abrir minha agenda totalmente. Peço a compreensão dos meus amados irmãos que têm ligado insistentemente para meu escritório pedindo uma data. Estou com muita saudade de estar com vocês, mas, por enquanto, preciso cumprir esse tempo de repouso que será de suma importância para minha total recuperação. Como já disse, estou apenas cumprindo aqueles compromissos que já estavam préagendados, e mesmo assim com a ajuda da Liz Lanne, minha irmã. Espero voltar o mais breve possível. E peço oração a todos intercessores espalhados por esse Brasil. E agradeço por todos e-mails e cartas de carinho e solidariedade. Vocês não sabem o quanto isso me consola! Amo vocês! meses passei sem tirar um fim de semana sequer para estar com meus filhos! Quantas semanas cheguei em casa somente para refazer malas! Acho que temos que cumprir o “ide” de Deus, mas precisamos parar de querer abraçar o mundo e sacrifi car nossas saúde e família.

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Lições do Livro Retorno a Santidade (DR. GREGORY R. FRIZZELL)


 Indicadores Bíblico de Salvação.
 Texto Áureo: Hb 6:11                        

       Cristãos genuínos testemunham de um relacionamento real e pessoal com Cristo (At 9:20-22). Paulo declara abertamente que Jesus é o Filho de Deus.
Para desenvolver espiritualmente se faz necessário o momento a sós com Deus. Conhecer a Deus num relacionamento pessoal de mudança de vida. “Muitas pessoas vão perder o céu por apenas dois palmos”. (distância entre a cabeça e o coração).
Tão perto do Reino, mas sem salvação (Mt 19:21,22), aquele jovem tinha em sua mente mas não no coração.
Para se ter a vida eterna tem que experimentar genuína convicção de pecador e crer unicamente em Cristo. (Jo 16:8), (Ef 2:8).
Ninguém é salvo pelo intelecto, nem por estar na igreja, ou convivendo com crentes. Por ser bom não é salvo, Só por Cristo!
- Outro indicador da salvação, é que o cristão verdadeiro têm certeza de sua salvação e do perdão dos pecados. ( Rm 8:16).
- Os filhos de Deus têm fome de crescimento espiritual, de se achegar mais e mais a Deus (I Jo 3:3).
- Viver no pecado sem sentir tristeza, e sem a disciplina de Deus... este tal não é salvo.
Crentes genuínos percebem a presença de Deus em suas vidas e ouvem Sua Voz. (Jo 10:27).
Se Deus não estiver falando ao seu coração: pode-se preocupar, ( Ef 4:18).
Cristãos verdadeiros têm amor à Igreja e ao povo de Deus. (I Jo 3:14). O AMOR é a marca do cristão.
Se alguém não sente prazer em adorar e estar com o povo de Deus, é questionável a sua salvação! (I Jo 2:19).
Os salvos conseguem distinguir entre sua vida atual e a de outrora (II Co5:17). Nascer de novo é a transformação de vida mais poderosa da experiência humana. (II Co 3:18).
Busca da santificação na pessoa de Jesus Cristo: (Cl 3:10).
O pecado desfez a imagem de Deus. A nova vida compartilhada por Cristo a refaz. (Ez 16:60). A aliança na obediência humana é falha; mas nos méritos de Jesus são eternas. (I Pe 1:3,4).
                  
                               Discernimento espiritual:
- Amados, não creiais a todo o espírito, mas provai se os espíritos são de Deus, porque já muitos falsos profetas se têm levantado no mundo. (I Jo 4:1).
- Não seremos enganados se temos discernimento. (Jr 29:8-9), (Hb 4:12)
- Podemos ter discernimento se sabemos vigiar (At 20: 30-31)
- Faremos o necessário se temos entendimento (I Co 14: 29-30)
- Podemos ter discernimento se rejeitamos o mal. ( I Ts 5: 21-22), ( Hb 5:14)
- Temos discernimento sem a consciência cauterizada ( I Tm 4:1-2), (I Co 2:14)
- Não blasfemamos o caminho se temos discernimento (2 Pe 2: 1-2)
- Seremos como anticristos se não temos discernimento ( I Jo 2: 18-19), (Mt 24:24)
- Teremos o galardão de Deus se temos discernimento. ( 2 J0 1:7-8).


O Salvo em Cristo não têm desculpas que possa convencer o coração de Deus, (I Pe 2:9-10). Quando somos remidos da escravidão e exílio, gozamos das  bênçãos celestiais. Somos propriedades Santa e exclusiva de Deus, ( I Pe 1: 18-19). O sangue de Cristo não perde o seu valor.
O cristão anuncia a excelência de Deus. Seguimos os passos de Jesus, (I Pe 2:21).
Lutemos com Cristo, seguindo para a vitória; avancemos para o alvo; divulguemos nossa fé, (Ef 6:12). É este o propósito do Salvo.
Findando esta lição, que possa ficar para nossa meditação o texto de (Fp 1:27).  
Que Deus no abençoe!!! 

                                                       Amém...  

 FONTES:
 BÍBLIA SAGRADA
LIVRO – RETORNO À SANTIDADE (DR. GREGORY R. FRIZZELL)

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

FIM DE SEMANA ABENÇOADO EM MARIANA TORRES. FESTA DE INVERNO






GUIADOS PELO ESPIRITO


Lemos em Mateus 4.1 que Jesus foi conduzido pelo Espírito Santo ao deserto para ser tentado pelo Diabo.  Era de se imaginar que Jesus não precisasse ser orientado por outra pessoa. Entretanto, precisava. Ao descer da sua glória, ele abriu mão de suas prerrogativas divinas, incluindo sua onisciência, para se tornar semelhante a nós. Estando na condição humana, Cristo não sabia de todas as coisas (Mc.13.32). Por isso precisava ser conduzido pelo Espírito Santo. Se Jesus precisou, quanto mais nós! Afinal, todos os filhos de Deus precisam e devem ser guiados por ele (Rm.8.14). Jesus nos deu, portanto, valioso exemplo nesse sentido. Se o Mestre, sendo quem é, não viveu de modo independente, muito menos nós poderíamos viver. 
A bíblia fala sobre dois modos de vida através das expressões: "andar segundo a carne" e "andar em Espírito" (Gl.5.16; Rm.8.1). Andar na carne é viver de acordo com os desejos carnais, conduzindo a si mesmo segundo os preceitos humanos e mundanos (ICor.3.3). Andar em Espírito é ser levado pelo Espírito Santo. É andar com Deus como Enoque andou (Gn.5.24).
Queremos que Deus ande conosco, mas o que precisamos é andar com ele, e isso é totalmente diferente. Se andamos com o Senhor, vamos para onde ele quer.
Queremos que Deus nos acompanhe, mas devia ser o contrário. Nós é que somos os seguidores, e seguidor não escolhe a direção, escolhe apenas a quem seguir. Não é razoável que o pastor siga as ovelhas, a não ser que esteja procurando aquela que se desviou.
Queremos que o Espírito Santo nos leve, desde que seja para o lugar que nós apontamos. Assim não está certo. Escolhemos um emprego e queremos que Deus nos coloque lá de qualquer jeito, quando deveríamos pedir que, antes de tudo, a sua vontade fosse feita e não a nossa (Mt.6.10; Mt.26.39). Fazemos planos e queremos determinar que Deus os realize. Assim, estamos tentando levar o Senhor para andar nos nossos caminhos. Ele pode até realizar alguns dos nossos sonhos e desejos, mas a nossa atitude deve ser de submissão, permitindo que ele nos conduza por onde ele desejar.
 "Guia-me pelas veredas da justiça, por amor do teu nome" (Salmo 23.3).
 Para onde o Espírito Santo nos levará? Para os lugares determinados pelo Pai. Ele levou Jesus ao deserto e não a um passeio turístico. Gostaríamos que o Espírito Santo nos levasse apenas a lugares agradáveis, mas ele certamente nos levará a lugares necessários, a situações e experiências diversas, que podem ser aprazíveis ou não. A vida do cristão tem fases difíceis, mas que só ocorrem por um propósito de Deus, contribuindo para o nosso bem e crescimento espiritual.
Jesus foi para o deserto, um lugar onde não há caminhos e os pontos de referência são raros, mas isso não representa problema para alguém que é conduzido pelo Espírito Santo. De outro modo, aquele que viaja no ermo pode ficar desorientado, perdido, correndo o risco de morrer ali. 
A vida humana pode ser assim em alguns momentos. Quantas pessoas estão vivendo sem direção, sem saber o que fazer nem para onde ir. Estão desorientadas, perdidas, como ovelhas que não têm pastor (Mt.9.36). Muitos vivem assim porque não conhecem Jesus, não crêem nele ou não o receberam como seu Salvador. Mas, o que dizer de cristãos que estão nessa situação? Só existe uma explicação: deixaram de seguir a direção de Deus. Como podemos ser guiados por ele? Como alguém pode conhecer e realizar a vontade do Senhor? Vejamos alguns parâmetros gerais sobre decisões e escolhas:
Não precisamos ficar buscando a vontade de Deus para coisas pequenas do dia-a-dia, pois isso pode se tornar uma mania, uma neurose, impedindo-nos de agir. Por exemplo, não é preciso orar para ir à padaria, nem perguntar ao Senhor a cor da roupa que devemos comprar. Deus nos deu capacidade e liberdade para resolver essas pequenas questões. Entretanto, existem decisões em nossas vidas que são muito importantes, pois mudam completamente o rumo da nossa história. A escolha do curso superior, da profissão, do emprego, do cônjuge, são apenas alguns exemplos de decisões muito sérias. Decidir sobre um namoro pode parecer algo de pouca importância, mas, considerando que o mesmo pode conduzir ao casamento, é necessário que a questão seja examinada com seriedade. Mudar de igreja ou de cidade pode também alterar muito a vida de uma pessoa. Nessas horas, precisamos de uma direção segura, pois as conseqüências, boas ou más, podem ser irreversíveis. Temos liberdade de escolha, mas só Deus pode nos mostrar a melhor opção. Somos semelhantes ao motorista numa rodovia, que precisa decidir corretamente diante das encruzilhadas e trevos, pois o retorno pode ser muito difícil e distante. Em algumas situações da vida, não há como voltar. É imprescindível, portanto, que aprendamos a ver e entender os sinais que nos ajudarão a andar no melhor caminho.
 Como descobrir a direção certa?
 - Bom senso, inteligência e conhecimento são importantes e úteis, mas podem não ser suficientes. Use sua capacidade intelectual, mas não se apóie totalmente nela. Por mais conhecimento que possamos adquirir, não seremos oniscientes ou prescientes. Portanto, somos dependentes de Deus. 
 "Confia no Senhor de todo o teu coração, e não te estribes no teu próprio entendimento" (Pv.3.5).
 - Ouça a voz da consciência, mostrando o que é certo e o que é errado. Entretanto, isto não é tudo. Como disse o Pr. Márcio Valadão, “se vamos fazer ou deixar de fazer alguma coisa, não é apenas por se tratar de algo certo ou errado, mas por estar ou não de acordo com a vontade de Deus para nós”.  Podemos estar diante de duas opções certas, porém existe uma melhor que a outra. Precisamos da direção divina para escolher bem.
 - Ore, entregue a vida a Deus, peça a ele orientação (Salmo 37.5).  Um filho que se recusa a pedir o conselho dos pais age como se fosse órfão. Quando tomamos decisões sem orar, a responsabilidade é toda nossa. Quando oramos, dividimos a responsabilidade com Deus. O Senhor responde de várias formas. Podemos ouvir a sua voz diretamente, mas ele nos fala também através da bíblia e das pessoas que estão à nossa volta.
 - Conheça a bíblia e siga os seus princípios. Não se trata de imitar os personagens nem de encontrar decisões prontas. A bíblia nos dá parâmetros para boas escolhas. Se a nossa resolução estiver de acordo com a justiça, a verdade, a fé, a misericórdia e a bondade, é bem provável que esteja correta. Por outro lado, se você sabe que a bíblia proíbe algo, não adianta orar e pedir direção de Deus sobre o assunto.
“Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai”. (Fp.4.8). Creio que essa lista de valores deve ser também a base para as nossas decisões e escolhas.
 - Ouça o conselho das pessoas mais experientes, principalmente daqueles que exercem autoridade sobre você. A orientação dos líderes deve ser seguida enquanto estiver de acordo com os princípios bíblicos.
Assim diz o Senhor: Ponde-vos nos caminhos, e vede, e perguntai pelas veredas antigas, qual é o bom caminho, e andai por ele; e achareis descanso para as vossas almas...”. (Jr.6.16).
Em assuntos de ordem pessoal, o líder eclesiástico deve orientar, mas não pode tomar decisões no lugar dos liderados.  Se você sabe que a bíblia ordena ou proíbe algo, não é necessário pedir orientação do líder.
- Além de todos os meios já citados, o cristão pode contar com a direção do Espírito Santo, conforme falamos no início. Ele é uma pessoa que tem vontade própria e se expressa de várias maneiras, inclusive por meio dos dons espirituais (ICor.12; At.13.1-2). Uma de suas principais funções neste mundo é nos conduzir à verdade (João 16.13 ). Quando não ouvimos claramente a voz do Espírito Santo, creio que ele pode nos guiar através de uma convicção interior que produz paz em nossos corações.
 - Deus nos guia também por meio das circunstâncias. Vemos isso na história de José do Egito. Ele teve sonhos proféticos e depois foi conduzido silenciosamente através de fatos diversos que o levaram ao palácio de Faraó. Quando Deus se cala, devemos apenas confiar nele.
 Se, em algum momento, não houver direção, não houver certeza, talvez seja melhor não sair do lugar. Nesse caso, se a decisão puder ser adiada, que seja, mas não por preguiça, medo, negligência ou covardia. 
Quando Israel viajava pelo deserto, havia uma nuvem que o guiava (Num.9.15-23). Se a nuvem estivesse parada, o povo deveria permanecer naquele lugar. Existem momentos em que devemos esperar, com paciência, até que recebamos uma ordem, uma orientação ou um sinal.
 Jesus foi levado pelo Espírito Santo ao deserto, mas ele não ficaria ali para sempre. O deserto pode ser uma passagem, mas não uma morada. Depois, Cristo voltou para a cidade e foi exercer seu ministério. Queremos fazer a obra de Deus com êxito e vitória? Precisamos enfrentar o deserto, conduzidos pelo Espírito Santo.
                                                               Anísio Renato de Andrade
                  
                                                                                   Bacharel em Teologia

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Buscando um coração reto diante de Deus


Hoje acordei RECONHECENDO algumas coisas dentro do meu coração que precisam ser mudadas. Eu me senti tão renovada com o que Deus me levou a refletir que quero compartilhar com vocês através desse texto.

Só há uma possibilidade de termos um coração reto diante de Deus: nascendo de novo. Ao nascermos de novo adquirimos  novos hábitos, novas atitudes, novos pensamentos, novos sentimentos, novas alegrias e uma nova esperança.
Ao nascermos de novo adquirimos o conhecimento do bem e do mal, do certo e do errado, passamos a discernir o santo do profano, o sagrado do secular. Entendemos que tudo nos é lícito, mas nem tudo nos convém. (conforme 1 co 6)

Contudo, ainda que venhamos a nascer de novo, precisaremos estar vigilantes quanto ás contaminações do mundo que sutilmente prejudicam o nosso relacionamento com Deus.

Não obstante, este versículo deveria ser a nossa oração diária:
“Cria em mim, ó Deus, um coração puro, e renova em mim um espírito reto. Não me lances fora da tua presença, e não retires de mim o teu Espírito Santo.” (Salmos 51:10)

Observe que um coração reto diante de Deus não é sinônimo de uma vida perfeita e sem pecados (isso é impossível!). Ninguém é perfeito e ninguém é capaz de viver sem pecar.
Acredito, que você, querido leitor, saiba bem disso.
Um coração reto diante de Deus é sinônimo de uma vida de oração,que busca em Deus a direção, que não cede às tentações, que foge de suas inclinações e dos comprometimentos de seus valores.

Para que o nosso coração se torne reto diante de Deus, precisamos andar com sinceridade diante do Senhor, não tentando esconder nossos erros atrás de máscaras, pois não há nada oculto para Ele. Quando este coração é falho, ele logo se arrepende e não se auto- justifica diante dos erros e fraquezas.

Com efeito, para termos um coração reto diante de Deus precisamos reconhecer a nossa natureza pecaminosa, sermos completamente honestos conosco mesmos sobre nós mesmos, e que, a nossa sinceridade nos torne pessoas que reconhecem a nossa total dependência do favor de Deus.

Muitas pessoas sentem-se frustradas, pois se esquecem que um coração reto diante de Deus não se trata de “padrões”, não se trata de fazer alguma coisa para alcançar a benevolência do Senhor. Não há nada que possamos fazer para que Deus nos ame mais ou menos, todavia, esse deve ser o principal motivo que nos leva, espontaneamente, a vivermos uma vida de quebrantamento e contrição. (#amor_incondicional!)

Não precisamos nos sentir fracassados quando falharmos com Deus. Um coração reto não é um coração que nunca falha, mas sim que se arrepende e experimenta plenamente o perdão e o amor de Deus, a ponto de sermos aperfeiçoados a cada dia.

Um coração reto diante de Deus é um coração quebrantado, sensível a voz de Deus, interessado pelas coisas do Reino de Deus. Não é um coração incrédulo, egoísta, com ressentimentos e sem amor.

Um coração reto diante de Deus procura no SENHOR a Paz nas tormentas, a alegria nos problemas e a esperança no caos. Encontra nEle o sustento diário e crê no Senhor Jesus como único e suficiente Salvador.
Um coração reto luta contra o pecado, essa luta deve ser constante e diária. Todos os dias precisamos buscar em Deus a purificação do nosso coração. (2 Cor. 7:1).

A fim de conseguirmos ter um coração reto diante de Deus, precisamos encarar a nossa realidade de forma honesta, e , declarar com as nossas atitudes a nossa dependência de Deus.

Precisamos orar para que Deus faça uma faxina em nossos corações, não deixando um cômodo sequer fechado para Ele. Assim, o Senhor nos mostrará o que não deveria estar lá e o Espírito Santo nos convencerá do pecado. É o agir de Deus moldando e aperfeiçoando o nosso caráter! Acredite, isso faz um bem enorme para o nosso bem estar!

Só conseguimos observar mudanças ocorrendo em nosso interior na medida em que estamos abertos para o aperfeiçoamento do Espírito Santo. Qual de nós não tem algumas áreas em nossa vida que precisam ser trabalhadas, reformadas? (#reflita!)
Derrube o muro que te cerca,derrube a barreira que existe entre você e DEUS!
Há uma única forma de que os nossos erros e falhas não nos afastem de Deus: confessando a ELE e procurando uma mudança em nossa conduta. Nosso pecado é como um muro entre nós e Deus.
Quando confessamos a Deus nosso pecado, nós não estamos lhe informando de algo que ELE não sabe. ELE SABE DE TODAS AS COISAS. Na verdade, estamos informando a ELE que nós reconhecemos e nos arrependemos do nosso pecado.

“Mas as vossas iniqüidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que não vos ouça.” (Isaías 59:2)

O verdadeiro arrependimento, é mais que simplesmente reconhecer os nossos pecados, mas sim se entristecer com eles e não ter a intenção de cometê-los novamente. E, saiba de uma coisa: quando DEUS encontra um coração reto, ELE sempre se mostra disposto a perdoar e fazer grandes coisas. Olha que lindo:

“Porque o SENHOR Deus é sol e escudo; o SENHOR dá graça e glória; nenhum bem sonega aos que andam retamente.” (Salmos 84:11)

Sabe…hoje acordei reconhecendo….

Reconheço que não sei orar como preciso, nem com a freqüência que eu gostaria, mas… eu sinto paz, pois sei que o Espírito Santo é um amigo que intercede por mim quando eu não sei orar como convém.
Reconheço o quanto eu preciso do Poder de Deus para transformar a minha vida e para transformar às minhas circunstâncias.
Reconheço a minha pequenez diante da grandeza de Deus e me sinto falha, pois dependendo das circunstâncias, sinto que minha fé tende a fraquejar.
Reconheço que Jesus deu a vida por mim porque ELE me amou. Peço a Deus, em oração que Ele me dê forças para que eu responda de maneira positiva à esse amor, e faça o mesmo por ELE.

Se este texto falou ao seu coração, te convido a orar comigo:
“Senhor, neste dia, RECONHEÇO que TU ES TUDO o que eu preciso, por isso, coloco todas as minhas expectativas sobre TI!”

Raíssa Bomtempo
@raissabomtempo

COMEÇA AMANHÃ. ESPERAMOS POR VOCE?