quarta-feira, 18 de abril de 2012

O conceito de CONTENTAMENTO.




Trecho do livro Alma Nua de Ivênio dos Santos
"Seja a vossa vida sem avareza. Contentai-vos com as cousas que tendes; porque ele tem dito: De maneira alguma te deixarei nunca jamais te abandonarei. Assim, afirmemos confiantemente: O Senhor é o meu auxílio, não temerei; que me poderá fazer o homem?"
(Hb 13.5).

O autor de Hebreus está simplesmente dizendo que devemos deixar que o senhor seja, de fato, o nosso Deus. Não coloquemos nossa confiança no dinheiro, pois avareza é adoração a Mamom. O deus-dinheiro é muito atraente por dar-nos, aparentemente, a sensação de segurança quanto ao futuro. O que a Palavra de Deus está nos exortando a fazer é colocar nossa confiança total no Senhor e não nas posses materiais.
Tudo o que vier a se constituir em nossa fonte de segurança, de significado, ou de contentamento, torna-se o nosso deus. A Palavra, em Hb 13.5, está nos ordenando a deixar que Deus, Pai de
Nosso Senhor Jesus Cristo, seja, de fato, o nosso Deus. Através do profeta Jeremias, Ele fala a seu povo Israel: "Espantai-vos disto, ó céus, e horrorizai-vos! Ficai estupefatos, diz o Senhor. Porque dois males cometeu o meu povo: a mim me deixaram, o manancial de águas vivas, e cavaram cisternas, cisternas rotas, que não retêm as águas"2.
Se Deus não for nossa fonte de contentamento, segurança e significado, estaremos sempre "cavando cisternas rotas" que não conseguem reter as águas, ou seja, estaremos sempre em busca de algo que preencha em nós essas necessidades básicas, e assim acabamos curvados em atração diante de outros altares.
Faça uma verificação em seu coração indagando com honestidade: "Quem é, de fato, o meu Deus? Em que altar tenho me curvado em real adoração? Em quê coloco a minha total confiança?
Onde está a minha fonte de genuíno contentamento? O que é que me dá significado para viver cada dia? Se eu tirasse Deus da minha vida o que mudaria?"