quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Aliviando a Bagagem


Possivelmente, você o fez esta manhã. Em algum lugar entre o primeiro passo ao sair da cama e o último passo ao sair pela porta, você agarrou alguma bagagem. Você caminhou até a esteira rolante e agarrou a carga. Não se lembra? É porque você fez sem pensar. Não se lembra de ter visto o terminal de bagagem? É porque a esteira não é aquela do aeroporto; é a da mente. E as malas que carregamos não são feitas de couro; são feitas de encargos.
A valise de culpa. Um saco de desgosto. Você acomoda a grossa sacola de fadiga sobre um ombro, e pendura a bolsa de aflição no outro. Adiciona uma mochila de dúvidas, mais a mala postal noturna de solidão, e um baú de temores. Logo você estará arrastando mais trastes que um carregador. Não admira que você esteja tão cansado ao final do dia. Puxar bagagem é exaustivo.
O que você estava dizendo a mim, Deus está dizendo a você: "Arrie a carga. Você está carregando pesos que não tem de suportar".
"Vinde a mim", Ele convida, "todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei" (Mt 11.28).
Se nós lho permitirmos, Deus tornará mais leve o nosso fardo.
Porém, como permiti-lo? Posso convidar um velho amigo para nos mostrar? O Salmo 23.

O Senhor é o meu pastor;
nada me faltará.
Deitar-me faz em verdes pastos,
guia-me mansamente às águas tranqüilas.
Refrigera a minha alma;
guia-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome.
Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte,
não temeria mal algum,
porque tu estás comigo;
a tua vara e o teu cajado me consolam.
Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus
inimigos,
unges a minha cabeça com óleo,
o meu cálice transborda.
Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão
todos os dias da minha vida;
e habitarei na casa do Senhor por longos dias.

Existem palavras mais amadas? Emolduradas e penduradas em saguões de hospitais, rabiscadas em paredes de presídios, citadas pelos vigorosos e cochichadas pelos moribundos. Nestas linhas, marinheiros têm achado um porto, os amedrontados têm encontrado um pai, e os que lutam pela vida têm deparado com um amigo.
E por ser tão profundamente amada, a passagem é vastamente conhecida. Você pode apontar um ouvido onde estas palavras jamais caíram? Musicadas em centenas de canções, traduzidas em milhares de línguas, domiciliadas em milhões de corações.
Um desses corações pode ser o seu....
Fonte: Livro Aliviando a Bagagem - Max Lucado