terça-feira, 24 de janeiro de 2012

CHAMA DA ALMA


Era uma vez um rei, que apesar de ser muito rico, era um homem simples; completamente desapegado de sua riqueza e extremamente querido de seu povo.
Um dia, quando um de seus súditos perguntou-lhe como ele conseguia conciliar tanta riqueza com tamanha simplicidade, ele ordenou aos seus soldados:
- Levem este homem aos meus depósitos reais. Dê-lhe uma lamparina acessa e deixe-o olhar e até tocar todo o meu tesouro, para que ele possa avaliá-lo para mim, porém, se ele deixar a lamparina se apagar, dê-lhe 10 fortes chibatadas.

Duas horas depois o homem voltou à presença do rei com a lamparina ainda acesa, e o rei lhe perguntou:
- Então, o quê acha, quanto vale o meu tesouro?

- Senhor, eu estava tão preocupado em não deixar a lamparina se apagar que nem consegui avaliar direito o seu tesouro, desculpe-me, senhor - respondeu o homem.

- Este é o meu segredo, confidenciou-lhe o rei, fico tão ocupado em manter acesa a chama da minha alma que nem reparo direito nestas coisas.

O fogo se conservará continuamente aceso sobre o altar; não se apagará.
Levítico 6.13

Autor desconhecido
Fonte: www.metaforas.com.br  -  Enviada por Edeli Arnaldi
Adaptada