Lá em cima, no madeiramento do telhado, um pequeno prego assistia a tudo. E ouvia as pessoas elogiando todas as partes da encantadora estrutura – exceto o prego!

Sequer sabiam que estava lá, e ele ficou irritado e com ciúmes: “Se sou tão insignificante, ninguém sentirá a minha falta!”

O prego, então, deixou de fazer pressão e foi deslizando até cair no chão.

Naquela noite choveu muito. O telhado começou a ceder onde faltava o prego, separando as telhas. A água escorreu pelas paredes e pelos belos murais. O gesso começou a cair, o tapete ficou manchado e a Bíblia arruinou-se com a água. Tudo isso porque um pequeno prego desistira do trabalho.
E o prego?

Ao segurar o madeiramento do telhado, era desconhecido, mas útil. Agora, enterrado na lama, era inútil e acabou comido pela ferrugem.