domingo, 30 de outubro de 2011

Reforma Protestante


Reforma Protestante foi uma das inúmeras Reformas Religiosas  ocorridas após a Idade Média e que tinham como base, além do cunho religioso, a insatisfação com as atitudes da Igreja Católica e seu distanciamento com relação aos princípios primordiais.


Durante a Idade Média a Igreja Católica se tornou muito mais poderosa, interferindo nas decisões políticas e juntando altas somas em dinheiro e terras apoiada pelo sistema feudalista. Desta forma, ela se distanciava de seus ensinamentos e caía em contradição, chegando mesmo a vender indulgências (o que seria o motivo direto da contestação de Martinho Lutero, que deflagrou a Reforma Protestante propriamente dita), ou seja, a Igreja pregava que qualquer cristão poderia comprar o perdão por seus pecados.

Outros fatores que contribuíram para a ocorrência das Reformas foi o fato de que a Igreja condenava abertamente a acumulação de capitais (embora ela mesma o fizesse). Logo, a burguesia ascendente necessitava de uma religião que a redimisse dos pecados da acumulação de dinheiro.

Junto a isso havia o fato de que o sistema feudalista estava agora dando lugar às Monarquias nacionais que começam a despertar na população o sentimento de pertencimento e colocam a Nação e o rei acima dos poderes da Igreja.

Desta forma, Martinho Lutero, monge agostiniano da região da saxônia, deflagrou a Reforma Protestante ao discordar publicamente da prática de venda de indulgências pelo Papa Leão X.
Leão X (1513-1521) com o intuito de terminar a construção da Basílica de São Pedro determinou a venda deindulgências (perdão dos pecados) a todos os cristãos. Lutero, que foi completamente contra, protestou com 95 proposições que afixou na porta da igreja onde era mestre e pregador. Em suas proposições condenava a prática vergonhosa do pagamento de indulgências, o que fez com que Leão X exigisse dele uma retratação pelo ato. O que nunca foi conseguido. Leão X então, excomungou Lutero que em mais uma manifestação de protesto, rasgou a Bula Papal (documento da excomunhão), queimando-a em público.

Então, enquanto Lutero era acolhido por seu protetor, o príncipe Frederico da Saxônia, diversos nobres alemães se aproveitaram da situação como uma oportunidade para tomar os inúmeros bens que a igreja possuía na região. Assim, três revoltas eclodiram: uma em 1522 quando os cavaleiros do império atacaram diversos principados eclesiásticos afim de ganhar terras e poder; outra em 1523, quando a nobreza católica reagiu; e, uma em 1524, quando os camponeses aproveitando-se da situação começaram a lutar pelo fim da servidão  e pelas igualdades de condições. Mas esta última também foi rechaçada por uma união entre os católicos, protestantes, burgueses e padres que se sentiram ameaçados e exterminaram mais de 100 mil camponeses. 

O maior destaque da revolta camponesa na rebelião de 1524 foi Thomas Münzer, suas idéias dariam início ao movimento “anabatista”, uma nova igreja ainda mais radical que a luterana.

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

O QUE É O AMOR?


Numa sala de aula haviam várias crianças. Quando uma delas perguntou à professora:

- Professora, o que é o amor?
A professora sentiu que a criança merecia uma resposta à altura da pergunta inteligente que fizera. Como já estava na hora do recreio, pediu para que cada aluno desse uma volta pelo pátio da escola e que trouxesse o que mais despertasse nele o sentimento de amor.

As crianças saíram apressadas e ao voltarem a professora disse:
- Quero que cada um mostre o que trouxe consigo.
A primeira criança disse:

- Eu trouxe esta flor, não é linda?
A segunda criança falou:
- Eu trouxe esta borboleta. Veja o colorido de suas asas, vou colocá-la em minha coleção.
A terceira criança completou:
- Eu trouxe este filhote de passarinho. Ele havia caído do ninho junto com outro irmão. Não é uma gracinha?

E assim as crianças foram se colocando. Terminada a exposição a professora notou que havia uma criança que tinha ficado quieta o tempo todo.
Ela estava vermelha de vergonha, pois nada havia trazido. A professora se dirigiu a ela e perguntou:
- Meu bem, porque você nada trouxe?

E a criança timidamente respondeu:
- Desculpe professora. Vi a flor e senti o seu perfume, pensei em arrancá-la, mas preferi deixá-la para que seu perfume exalasse por mais tempo. Vi também a borboleta, leve, colorida! Ela parecia tão feliz que não tive coragem de aprisioná-la.
Vi também o passarinho caído entre as folhas, mas ao subir na árvore notei o olhar triste de sua mãe e preferi devolvê-lo ao ninho.

Portanto professora, trago comigo o perfume da flor, a sensação de liberdade da borboleta e a gratidão que senti nos olhos da mãe do passarinho. Como posso mostrar o que trouxe?

A professora agradeceu a criança e lhe deu nota máxima, pois ela fora a única que percebera que só podemos trazer o amor no coração e não em nada físico".

terça-feira, 25 de outubro de 2011

O QUE ESTÁ ACONTECENDO COM A IGREJA GLORIOSA?


Há um clamor no ar. Em vários lugares, cristãos estão se perguntando e perguntando aos outros: “O que está acontecendo com a ‘igreja gloriosa, sem mancha nem ruga ou coisa semelhante, mas santa e inculpável’, de que fala Paulo (Ef 5.27)?”

Devemos destacar tanto o clamor que vem do país mais protestante do mundo como o clamor que vem do país mais católico do mundo. Curiosamente, os clamores são iguais. Até parece que um foi inspirado no outro. Um dos mais lidos autores protestantes, o jornalista e escritor americano Philip Yancey, em entrevista à revista Seu Mundo, declarou: “Parece-me que a igreja está mais propensa a afastar as pessoas de Deus do que a aproximá-las dele”. Na mesma ocasião, o padre Geraldo Dôndice Vieira, reitor e professor de exegese bíblica no Instituto Teológico Diocesano Santo Antônio, em Juiz de Fora, MG, escreveu: “Apesar da boa intenção de muitos párocos e sua dedicação e zelo, a paróquia se tornou uma contra-evangelização institucionalizada”.


Em última análise, a igreja militante, a igreja visível, a igreja como instituição humana, perdeu o direito e o poder de se fazer ouvir, de testemunhar, de pregar, de ensinar. A igreja triunfante, a igreja invisível, a igreja como corpo de Cristo, continua gloriosa, santa e inculpável. Essa igreja, “as portas do Hades” não poderão vencer, de acordo com a promessa de Jesus (Mt 16.18).


Bob Freer, autor do relatório de 200 páginas da Anistia Internacional, afirmou categoricamente: “Os Estados Unidos não praticam o que pregam”. A mesma denúncia foi feita à liderança religiosa de Jerusalém por Jesus há quase dois milênios: “Os mestres da lei e os fariseus se assentam na cadeira de Moisés. Obedeçam-lhes e façam tudo o que eles lhes dizem. Mas não façam o que eles fazem, pois não praticam o que pregam” (Mt 23.2-3) Cabe aqui a pergunta: Estamos vivendo em público e em particular o que anunciamos nos púlpitos, nos programas de rádio e televisão, nos livros e periódicos, nos sites e nas escolas e universidades?


Não é o que parece, levando em consideração, por exemplo, a declaração de dois médicos brasileiros, Vicente Amato Neto (professor emérito da Faculdade de Medicina da USP) e Jacyr Pasternack (doutor em medicina pela UNICAMP): “Embora as várias religiões, e não apenas a católica, considerem que a castidade até o casamento e a sinceridade férrea depois deste sejam obrigações pétreas, elas não conseguem que tais diretivas sejam seguidas por todos os seus líderes laicos ou clericais, sejam eles padres ou pastores. Não dá para tampar o sol com uma peneira — é só olhar e ver o que acontece”.


Nós mesmos estamos nos acusando e colocando em dúvida a vantagem do crescimento exclusivamente numérico no catolicismo, no protestantismo e no pentecostalismo.


Da parte do catolicismo, temos o pronunciamento de Dom Eugênio Sales, arcebispo emérito do Rio de Janeiro: “Dizem que são 122 milhões de católicos batizados no Brasil. Se saísse a metade, a Igreja não ficaria prejudicada”. Da parte dos evangélicos, temos a pergunta do conhecido expositor da Bíblia Russell Shedd: “Somos mais ou menos 25 milhões de evangélicos no Brasil. Onde está o poder dessa multidão?” Da parte dos pentecostais, temos a indignação de Rikk Watts, assembleiano, professor do Regent College, em Vancouver, Canadá: “De cada 20 pessoas no mundo, uma é pentecostal. E o mundo não é um lugar lindo. O que está errado?”


Em entrevista à Veja, o principal vaticanólogo italiano, Giancarlo Zizola, disse que “o cristianismo não poderá existir no futuro como religião de sociedade, e sim como religião de testemunho”. Para tanto, será preciso liberar o cristianismo da cristandade, isto é, “desatá-lo dos regimes da cristandade — nos quais a religião cresce apenas vegetativamente, protegida por uma rede social e estatal”. Para Zizola é preciso acabar com a assimetria entre o cristianismo e a cristandade.


A igreja gloriosa precisa de santos no púlpito e nos bancos. Não de santos beatificados e canonizados depois de mortos, mas de santos vivos, audíveis, visíveis e palpáveis, nos seminários, nos conventos, nos templos, na mídia, na sociedade, em casa e nos lugares de trabalho, exalando “o aroma de Cristo entre os que estão sendo salvos e os que estão perecendo” (2 Co 2.15). Pois “toda alma que se eleva, eleva o mundo”, como reza a exortação Reconciliatio et poenitentia, de João Paulo II. O inverso também é verdade: “Uma alma que se deixa abaixar pelo pecado abaixa consigo mesma a igreja e, de certo modo, o mundo inteiro”.

Pastor Gerson Moura Martins

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

HOMEM, ESTE ETERNO DESCONHECIDO


                                        

Bendito seja o Senhor, que diariamente leva a nossa carga, o Deus que é a nossa salvação.

O escritor Edward Dahlberg observou: "Aos dezenove anos eu era um es­tranho a mim mesmo. Aos quarenta, perguntei: 'Quem sou eu? 

Aos cinqüenta, com-cluí que ainda não me conhecia". Este deserto interior explorado é a hábitação de milhões de pessoas. 

Segundo dados do sociólogo canadense Ju­ne Gallwood, de Toronto, 90% dos universitários canadenses não sabem quem são na realidade. A Bíblia diz que o homem é uma alma imortal. 

Quando Deus o fez, primeiro o criou e "soprou-lhe nas narinas o fôlego da vida, e o homem se tornou alma vivente" (Gn 2.7). A essência, o coração e a pessoa eterna e real de uma pessoa é a sua alma. 

O homem só descansará quando receber Jesus Cristo como Salvador e Senhor de sua vida.


quarta-feira, 19 de outubro de 2011

VIAGEM PARA A ETERNIDADE


Um garoto viajava sozinho de trem, num dia quente. Os passageiros es­tavam em extremo desconforto. E o cenário também não era muito interes­sante, porque passavam pelo deserto do Arizona, nos E.U.A. 

Uma senhora sentada ao lado do garoto perguntou:

- Você não está cansado de viajar tanto?

O         garoto sorriu e disse:

- Estou um pouco cansado, mas não tem problema não. Meu pai estará me esperando quando eu chegar a Los Angeles.

As vezes ficamos um pouco cansados dos embates da vida, mas é fasci­nante saber que Jesus está à nossa espera, no fim da jornada da vida. Ne­nhum escritor pode descrever a alegria de estar com Ele para sempre.

RELIGIÃO E FILOSOFIAS



Houve uma vez um rapaz que, durante certo tempo, pensou ser possível viver sem religião e sem fé; sua intenção era passar a vida com o único fim de ganhar dinheiro e nome para si mesmo. João era um rapaz talentoso, de in­telecto brilhante e agradável personalidade. Filho de um ministro, julgava o pai muito antiquado e fora da época.

A ciência moderna na mente daquele mancebo fizera com que o Deus de seu pai parecesse um mito; e a religião, uma coisa desnecessária. Ao envelhecer, João achou necessário adotar qual­quer filosofia básica de vida. 

Resolveu estudar todos os filósofos que mais lhe agradassem. Foi-lhe um prazer o estudo e maravilhou-se da profundeza e do que havia de belo em uma porção de homens ilustres. Quanto mais estudava,tanto mais começava a cogitar quem estaria certo.
Havia tantas respostas dife­rentes às grandes indagações da vida! Qual delas estaria certa?

Decidiu, afinal, estudar a biografia dos filósofos, para saber qual deles havia vivido mais satisfatoriamente sua própria filosofia. A medida que estu­dava, ficava mais e mais convencido de que apenas um filósofo vivera aquilo que ensinara. E este era Jesus. O que Jesus ensinou, isso Ele era.

Jesus não somente viveu o que ensinou, mas também pôde apontar para um sepulcro vazio, e dizer: "Eu fui morto e estou vivo e tenho as chaves". Depois de vários anos de estudo, João viu renovada a fé no Deus de seu pai e, olhando para Jesus, converteu-se. Tão maravilhosamente satisfatória foi sua experiência, e tal, o contraste que viu em seu estudo de comparação entre a religião de Jesus Cristo e todas as outras religiões do mundo que resolveu de­fender a causa do cristianismo. Consagrou a vida e os talentos ao ministério evangélico.

Em Cristo é que a nossa religião tem seu começo, e em Cristo ela é aper­feiçoada. Não é de admirar que nos seja dito: "Far-nos-ia bem passar diaria­mente uma hora a refletir sobre a vida de Jesus... Contemplando a beleza de Seu caráter, seremos transformados de glória em glória na mesma imagem".

terça-feira, 18 de outubro de 2011

VEM AÍ!

POR QUE SER ESCRAVO SE EU POSSO SER LIVRE?

“Se o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres”
(João 8:36)


“Havia dois irmãos que visitavam seus avós no sítio, nas férias. Felipe, o menino, ganhou um estilingue para brincar no mato. Praticava sempre, mas nunca conseguia acertar o alvo. Certa tarde viu o pato de estimação da vovó... em um impulso atirou e acabou acertando o pato na cabeça, que morreu. Ele ficou chocado e triste! Entrou em pânico e escondeu o pato morto no meio da madeira! Beatriz, a sua irmã viu tudo mas não disse nada aos avós. Após o almoço no dia seguinte, a avó disse: "Beatriz, vamos lavar a louça". Mas ela disse: " Vovó, o Filipe me disse que queria ajudar na cozinha". E olhando para ele sussurrou: "Lembra do pato?" Então o Felipe lavou os pratos. Mais tarde o vovô perguntou se as crianças queriam pescar e a vovó disse: "Desculpe, mas eu preciso que a Beatriz me ajude a fazer o jantar." Beatriz apenas sorriu e disse, "Está bem, mas o Filipe me disse que queria ajudar hoje", e sussurrou novamente para ele, "Lembra do pato?" Então a Beatriz foi pescar e Filipe ficou para ajudar. Após vários dias o Filipe sempre ficava fazendo o trabalho da Beatriz até que ele, finalmente não agüentando mais, confessou para a avó que tinha matado o pato. A vovó o abraçou e disse: "Querido, eu sei... eu estava na janela e vi tudo, mas porque eu te amo, eu te perdoei. Eu só estava me perguntando quanto tempo você iria deixar a Beatriz fazer você de escravo!" 

Quando escondemos nossos erros, o inimigo tem uma “reserva legal de poder” contra nós e pode ter certeza que ele vai usá-la para nos escravizar cada vez mais. No Salmo 32, o salmista descreve como é terrível a situação daquele que não confessa seus pecados!

Qualquer que tenha sido nosso passado, ou seja qual for o erro que cometemos, precisamos saber que “Deus estava na janela e viu tudo”. Ele conhece toda a nossa vida, nos ama do jeito que somos e está disposto a nos perdoar sempre que nos arrependemos. Pecado confessado é pecado perdoado!

Então, se podemos ser livres, por quanto tempo vamos deixar que o inimigo nos faça de escravos?

Pr. Gerson Moura Martins

sábado, 15 de outubro de 2011

O PODER DAS ESCRITURAS


"Toda escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repre­ensão, para a correção, para a educação na justiça" (2 Tm 3.16).

O escritor Lew Wallace duvidava da Bíblia e resolveu escrever uma no­vela, "Ben-Hur", a fim de provar ser falso o cristianismo. Contudo, estudando com atenção as Escrituras, Wallace descobriu nelas justamente "...a repreen­são, ...a correção... e a educação na justiça" de que tanto precisava. A Palavra de Deus de tal forma lhe transmudou o pensamento que acabou por escrever a novela em alto tributo ao recém achado Senhor.

Para os homens pensantes de todos os séculos, as Escrituras Sagradas assu-mem posição preeminente acima de todos os outros livros. Isaque New­ton referiu-se aos Evangelhos como "a mais sublime filosofia da Terra". Goe­the disse: "Para mim os Evangelhos são verdadeiros, desde o princípio até o fim". Benjamin Franklin, Abraham Lincoln, Franklin Roosevelt, D. Pedro II e tantos outros líderes já renderam elevado tributo ao poder do Livro do Céu.

E são do romancista Coelho Neto, as palavras: "Homem de fé, o Livro de mi­nh'alma aqui o tenho: é a Bíblia o pão para minha fome de consolo, a luz nas trevas das minhas dúvidas, o bálsamo para as dores das minhas agonias... Eis o livro que é a valise com que ando em peregrinação pelo mundo. Tenho nele tudo".

 Fonte: Coletânea de Ilustrações

terça-feira, 11 de outubro de 2011

"DEUS TEM CUIDADO DE VÓS..."

Conta-se a história de um trem de passageiros que, certa noite, fazia sua rota regular a caminho de Londres. Chovera torrencialmente durante todo o dia. Com o cair da noite, intenso nevoeiro descera sobre a estrada de ferro. De repente, o maquinista avistou uma pessoa com os braços abertos em desespe­ro. Ele freou o trem, que rangeu sobre os trilhos e parou.

O condutor saiu pa­ra investigar o que havia e descobriu que, pouco adiante, uma ponte havia ruído ao peso das águas encapeladas de uma corrente. Procuraram, pois, a pessoa que salvara a vida de tantos passageiros, mas não encontraram nin­guém. Foi então que o maquinista, examinando os faróis da máquina, deparou com uma cena estranha. Uma grande mariposa de asas abertas estava morta e colada ao farol. Foi o reflexo da sua agonia que lhe serviu de aviso.

Este incidente da mariposa pode ser comparado ao amor de Cristo pela humanidade. O reflexo do corpo de Cristo, de braços abertos sobre a cruz do Calvário, tem salvo a vida de milhares de almas, através dos séculos.
Seria por mero acaso que tal vespa surgira exatamente no momento oportuno?

Sra. J. Hardin Neal (Virgínia, E.U.A.)

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

FLORES, PAISAGENS E... MÃOS



Em sua primeira exposição, um jovem pintor encanta a todos com belíssimos quadros de flores e paisagens. No entanto, entre seus quadros há um em que ele retrata as mãos calejadas de um trabalhador. 
Alguém percebe que este quadro não traz o preço, e o artista lhe explica:
- Desculpe, senhor, este quadro não está à venda, por isso não tem etiqueta de preço. É da minha coleção particular.

- É um belo quadro, diz o homem, no entanto, um pouco deslocado entre os os demais, você não acha?- Sim, é verdade! Mas, ele sempre estará em todas as exposições que eu vier a fazer em minha vida, pois, minha arte eu devo à estas mãos.- E de quem são estas mãos?- São as mãos de meu pai, que trabalhou duro toda a sua vida,  para que eu pudesse estudar e aperfeiçoar a minha arte.

Autoria desconhecida
Recontada por: Pr Ronaldo Alves Franco



Honra a teu pai e a tua mãe.
Efésios 6.2

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

VIDAS SECAS



Certa vez um assaltante deu voz de assalto a uma senhora:
- A bolsa ou vida, disse ele.

Sem alterar seu semblante, ela respondeu:- Pode escolher, moço, pois tanto a minha bolsa quanto a minha vida estão vazias.



O coração alegre serve de bom remédio;
mas o espírito abatido seca os ossos.

Provérbios 17.22

Os desafios a serem enfrentados a cada dia pode trazer as vidas um tempo de seguidão chegando ao ponto de desistirem da própria vida, é uma enfermidade que domina o presente seculo que só há cura em Jesus Cristo pois ele veio para libertar o cativo, pessoas que estão com um grande vazio existencial, em que a vida perdeu o sentido mais hoje Jesus pode preencher esse espaço e mudar a sua história.
Se a sua vida perdeu o sentido não sabe o que fazer, se está se sentido sobrecarregado o fardo esta pesado deixe Jesus entrar em sua vida para mudar sua história, onde Jesus está milagres acontecem, hoje é o dia do seu milagre, que Deus os abençoe.