quarta-feira, 4 de maio de 2011

NÃO NECESSARIAMENTE

Era uma vez na antiga China um velho criador de cavalos. Certo dia, ao retornar para casa após um longo dia de trabalho, descobriu que sua égua mais estimada havia fugido.Sua família e seus vizinhos ajudaram-no a procurá-la, mas, por fim, desistiram. - Nós sentimos muito que tenha acontecido isso ao senhor, disseram eles.
Mas, para surpresa de todos, o velho respondeu:
- A perda de minha égua de estimação não é necessariamente algo ruim. Somente o tempo dirá.
No dia seguinte, logo pela manhã, o ancião viu no horizonte dois cavalos que vinham em direção à sua casa. Ele reconheceu sua égua de estimação que vinha acompanhada de um garanhão selvagem, de porte majestoso.
Quando vieram felicitá-lo por recuperado a égua e, de sobra, ainda ter ganho o garanhão selvagem, ele disse:
- A aquisição desse garanhão não é necessariamente algo bom. Somente o tempo dirá.
Uma semana depois, seu filho resolveu montar o garanhão, mas, como o animal ainda não estava domado, derrubou o rapaz, quebrando-lhe a perna. Todos comentavam:
- Isto é terrível! Esse garanhão trouxe azar à família!
O velho retrucou:
- Este acidente não é necessariamente algo ruim. Somente o tempo dirá.
Como aquele reino estava envolvido em uma guerra com o reino vizinho, dois dias depois, todos os jovens daquele vilarejo foram convocados para a guerra, exceto aquele rapaz, pois estava com a perna quebrada. Para alívio daquele pai!

Conto popular da China

Tu, porém, sê sóbrio em tudo.
II Timóteo 4.5