sexta-feira, 13 de maio de 2011

ENSINAMENTOS NO LIVRO DE JONAS

VEIO a palavra do SENHOR a Jonas, filho de Amitai, dizendo: Levanta-te, vai à grande cidade de Nínive, e clama contra ela, porque a sua malícia subiu até à minha presença. Porém, Jonas se levantou para fugir da presença do SENHOR para Társis. E descendo a Jope, achou um navio que ia para Társis; pagou, pois, a sua passagem, e desceu para dentro dele, para ir com eles para Társis, para longe da presença do SENHOR. (Jonas 1:1-3)

Deus chama o profeta Jonas par levar a grande cidade de Nínive, uma palavra de arrependimento, quando chamado o profeta segue direção contraria a que Deus havia ordenado, acreditava estar fugindo da face de Deus.
Jonas não queria levar essa palavra de arrependimento, pois a sua vontade e creio que de todo Israel era que Nínive fosse destruída, os Assírios eram conhecidos por suas crueldades e experiências em tortura, suas conquistas eram seguidas de muita violência. Sendo assim, qual seria o sentimento que o coração de Jonas nutria contra esse povo?
Jonas vai à cidade portuária de Jope e embarca para Társis, diz que em meio à viagem o mar começou a ficar revolto e todos os tripulantes começam a temer por suas vidas, menos Jonas que estava dormindo, no porão do navio, após uma pequena reunião o próprio Jonas declara-se culpado do sofrimento que afligiu aqueles homens, pedindo assim que eles o joguem no mar, antes de continuarmos o nosso relato do livro de
Jonas eu aprendo algumas coisas:

1) Deus exige de nós obediência.

2) Não posso escolher para quem devo pregar.

3) Fugir da presença de Deus trás sofrimento para todos que nos cercam.

Após ser jogado no mar diz a palavra que o vento e tempestade que acalmou e um grande peixe o engoliu, nesse momento Jonas ora ao Senhor “(Jonas 2:2) - E disse: Na minha angústia clamei ao SENHOR, e ele me respondeu; do ventre do inferno gritei, e tu ouviste a minha voz”. Diz a palavra que Deus ouviu a oração de Jonas, Jonas que é citado por Jesus, que faz uma comparação ao seu sepultamento com os três dias que Jonas esteve no ventre do peixe. Deus dá uma ordem ao peixe que lança Jonas em terra e diante desse fato, aprendo com esse capitulo que:

1) Arrependimento é o principio, para calmaria.

2) Deus ouve a coração daquele que se arrepende.

3) Deus sempre nos dá uma nova chance.

Deus repete as ordens a Jonas que sai a cumprir, Nínive não era uma cidade pequena e o profeta precisou ter dias pregar em toda cidade, e venha cá, que pregação sem graça, foi por obediência, não tinha nenhuma empolgação com a mensagem a ser pregada, estava pregando uma coisa e esperava resultado contrario de sua pregação, aquele tipo de cara que ninguém convidaria pra pregar na festa de aniversario de sua igreja, mais me lembra de algo, a ocasiões que paramos para conversar com alguns pregadores que revestidos de uma falsa humildade declaram: “- por misericórdia Deus salvou quatro almas, depois da mensagem que eu preguei ontem. – Por misericórdia Deus curou...”, imagine se Pedro fosse revestido dessa capa: “- Por misericórdia Deus salvou três mil, e nem foi feito apelo”, mesmo estando Jonas totalmente desmotivado, querendo do fundo do coração que Deus mandasse fogo do céu e destruísse a cidade, os ninivitas deram ouvida a pregação, a palavra de arrependimento correu a cidade e chegou ao rei, e todo um povo se arrependeu, cento e vinte mil pessoas e todos os animais, eu aprendo que:

1) Deus envia seus mensageiros para que o impenitente se arrependa.

2) Mesmo que você não concorde se Deus mandou faça

3) Não é pela homilética ou hermenêutica e sim pelo Espirito Santo.

4) A palavra de Deus nunca volta vazia.

Jonas saiu da cidade arrumou um lugar no alto, desse tipo camarote, para ver a destruição de Nínive e Deus dá a Jonas uma lição, no lugar que Jonas deitou, Deus faz crescer uma planta, que traz sombra a Jonas, quando o sol esquenta, Deus mata a planta e Jonas acorda aborrecido com o que aconteceu, e Deus dá uma lição a Jonas: “- E disse o SENHOR: Tiveste tu compaixão da aboboreira, na qual não trabalhaste, nem a fizeste crescer, que numa noite nasceu, e numa noite pereceu; - E não hei de eu ter compaixão da grande cidade de Nínive em que estão mais de cento e vinte mil homens que não sabem discernir entre a sua mão direita e a sua mão esquerda, e também muitos animais?”.

Conclusão: O livro de Jonas nos traz muitos ensinamentos, na área ministerial, podemos aprender que não devemos negar o chamado, que não tem como fugir ou esconder, pois se Deus tem uma obra em mim ele vai me conduzir ao centro da sua vontade.

Como nova criatura ele nos ensina que o perdão está acima de todas as coisas, que não importa o que fizeram para nos atingir, devemos perdoar e falar do amor de Deus, pois o maior sacrifício não foi o de Jonas viajando de “submarino” até Nínive, caminhando três dias, pregando uma mensagem sem vontade alguma, mais que pela Soberana Vontade de Deus surtiu efeito, o grande sacrifício foi feito por Jesus na cruz do calvário perdoando os nossos, pagando nossa divida, dando-nos o direito de sermos chamados filhos de Deus, garantindo assim um lugar nas mansões celestiais. “Não se esconda, se entregue”.
                                                                                  Pastor Sebastião Luiz Chagas