segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

“Quem sou deixa marca.”

Uma professora de Nova York decidiu honrar cada um de seus alunos que estavam por se graduar no
colegio, falando-lhes da marca que cada um deles havia deixado.
Chamou cada um dos estudantes à frente da classe, um a um. Primeiro, contou a cada um como
haviam deixado marca na vida dela e na da turma.
Logo presenteou cada um, com uma faixa azul, impressa com letras douradas, na qual se lia,

“Quem sou deixa marca.”

Por fim, a mestra decidiu fazer um projeto de aula para ver o impacto que o reconhecimento teria na
comunidade.
Deu a cada aluno mais três faixas azuis e lhes pediu que levassem adiante esta cerimônia de reconhecimento. E que deveriam acompanhar os resultados, ver quem premiou quem, e informar à turma no final de uma semana.
Um dos alunos foi ver um jovem executivo de uma indústria próxima e o premiou por tê-lo ajudado com o planejamento de sua carreira. Deu- lhe uma faixa azul, e colou-a em sua camisa.
Em seguida deu-lhe as duas faixas extras e lhe disse:
“Estamos fazendo em aula um projeto de... ‘reconhecimento’, e gostaríamos que você encontrasse
alguém a quem premiar e lhe desse uma faixa azul.”
Mais tarde, nesse mesmo dia, o jovem executivo foi ver seu chefe que tinha reputação de ser uma pessoa amargurada, e lhe disse que o admirava profundamente por ser um genio criativo.
O chefe pareceu ficar muito surpreso.
Então o jovem executivo lhe perguntou se ele aceitaria o presente da faixa azul e se lhe dava permissão de colocá-la em sua camisa.
O chefe disse: “Bem…claro!” Então o jovem executivo pegou uma das faixas azuis e a colocou no casaco do chefe, bem sobre seu coração…e oferecendo-lhe a última faixa, perguntou:
“Poderia pegar esta faixa extra e passá-la a alguém mais a quem queira premiar?”
“O estudante que me deu estas faixas está fazendo um projeto de aula, e queremos continuar esta cerimonia de reconhecimento para ver como vai afetar as pessoas.”
Nessa noite, o chefe chegou em casa, sentou- se com seu filho de 14 anos, e lhe disse: “Hoje me aconteceu algo incrível!”
“…estava no meu escritório e um de meus empregados veio e me disse que me admirava; então me deu uma faixa azul por me considerarum genio criativo.”
“Imagina! Ele pensa que eu sou um genio criativo!
Logo me pôs uma faixa azul que diz:

‘Quem sou deixa marca.’ ”

“Deu-me uma faixa extra e me pediu que encontrasse alguém mais a quem premiar. Quando eu estava dirigindo para casa esta noite, comecei a pensar a quem poderia premiar com esta faixa, e pensei em ti. Quero premiar a ti.”
“Meus dias são muito agitados e quando venho para casa, não te dou muita atenção; grito contigo por não tirar boas notas e pela desordem em teu quarto…”
“Por isso, esta noite, só quero sentar-me aquí e …bem… te dizer que és muito importante para mim.”
“Tu e tua mãe são as pessoas mais importantes em minha vida. És um grande garoto e te amo muito!”
O garoto surpreendido começou a soluçar e a chorar, e não conseguia parar. Todo o seu corpo tremia.

Olhou para seu pai e entre lágrimas lhe disse: “Papai, momentos atrás me sentei em meu quarto e escrevi
uma carta para ti e para mamãe, explicando porque tinha tirado minha vida, e lhes pedia que me perdoassem.”

“Ia me suicidar esta noite depois de vocês terem dormido. Eu pensava que vocês não se importavam
comigo.”
“A carta está lá em cima, mas não creio que eu vá precisar dela, depois de tudo o que conversamos.”
Seu pai subiu ao segundo piso e encontrou a carta, sincera e cheia de angústia e dor.
No dia seguinte, o chefe regressou ao trabalho totalmente modificado. Já não estava amargurado, e
se empenhou em fazer todos os seus empregados saberem que cada um deles faz a diferença.
Por outro lado, o jovem executivo ajudou muitos outros jovens a rem suas carreiras, inclusive o filho do chefe, a se esqueceu de recordar-lhes que eles deixavam marcas em sua vida.
Ainda mais, o jovem e seus companheiros de classe aprenderam uma lição muito valiosa.

“Quem és, deixa marca”.

Por favor, quero que saibas que tu és importante ou não terias recebido isto.
Estou passando a faixa azul para ti.
E o jovem rapaz e seus companheiros de classe aprenderam uma lição muito valiosa:

Quem és deixa marca.

Que tenhas um dia maravilhoso e saibas que alguém hoje pensou em ti!

REUNIÃO AMEOVALE - FEVEREIRO 2011

AMADOS ESTAVAMOS EM FALTA COM AS FOTOS DA REGIÃO REGIONAL DO DIA 19, SEGUE ALGUMAS FOTOS SEDIDAS PELA IRMÃ GRAZIELE.







quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

SEM LENHA, O FOGO SE APAGA

Seis homens ficaram presos numa caverna gelada por causa de uma avalanche de neve. O socorro só viria ao amanhecer.

Cada um deles trazia um pouco de lenha, mas, quando a equipe de resgate chegou a fogueira estava apagada e eles, mortos, congelados, cada qual abraçado ao seu feixe de lenha.

Os soldados não entenderam o que se passou naquela caverna, mas, se eles pudessem voltar no tempo e ler o pensamento daquelas pessoas, talvez ficassem mais uma vez surpresos com a raça humana:

O preconceituoso pensava: Jamais darei minha lenha para aquecer essa gente esquisita!

O rico avarento pensava: Vou ser o último a queimar minha lenha. Quem sabe, até posso vendê-la para esses otários. Vai valer uma boa grana. É a lei da oferta e procura.

O forte pensava: Não vou dar a minha lenha para aquecer esses fracotes. Eles que façam ginástica até o amanhecer, se quiserem se manter aquecidos.

O fraco pensava: É bem provável que eu precise desta lenha para me defender.

O sabe-tudo pensava: Esta nevasca vai durar vários dias. Vou guardar minha lenha por enquanto.

O alienado: ... (não pensava nada, especificamente).

Por fim, um dos soldados desabafou: - Acho que não foi o frio de fora que os matou; acho que foi o frio de dentro. O frio do coração. O frio da alma.

"Não deixe que o frio deste mundo mate você. Abra o seu coração e seja o primeiro a ceder a seu feixe de lenha, para manter a fogueira acesa".

Sem lenha, o fogo se apaga.
Provérbios 26.20

Fonte: Site do Pastor

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Por que as pessoas GRITAM?

Um dia, um mestre indiano, preocupado com o comportamento dos seus discípulos, que viviam aos berros uns com os outros, fez a seguinte pergunta:
- Por que as pessoas gritam quando estão aborrecidas ou quando não se entendem?
- Gritamos porque perdemos a calma - disse um deles.
- Mas por que gritar quando a outra pessoa está ao seu lado? - questionou novamente o pensador.
- Bem, gritamos porque desejamos que a outra pessoa nos ouça - retrucou outro discípulo.

O mestre volta a perguntar:

- Não é possível falar com a outra pessoa em voz baixa?

Os alunos deram várias respostas, mas nenhuma delas convenceu o velho pensador, que esclareceu:

- O fato é que quando duas pessoas gritam é porque, quando estão aborrecidas, seus corações estão muito afastados. E, para cobrir esta distância, precisam gritar para que possam escutar-se mutuamente. Quanto mais aborrecidas estiverem, mais forte terão de gritar, para que possam ouvir umas às outras, por causa da grande distância.

E continuou o sábio:

- Por outro lado, quando duas pessoas estão enamoradas, não gritam; falam suavemente. Por quê? Porque seus corações estão muito perto. A distância entre elas é pequena. As vezes, seus corações estão tão próximos que nem falam, somente sussurram. E quando o amor é mais intenso, não necessitam sequer sussurrar, apenas se olham, o que basta. Seus corações se entendem. E justamente isso que acontece quando duas pessoas que se amam estão próximas.

Por fim, o pensador conclui, dizendo:

- Quando vocês discutirem, não deixem que seus corações se afastem, não digam palavras que os distanciem mais, pois chegará o dia em que a distância será tanta que não mais encontrarão o caminho de volta.

Pela longanimidade se persuade o príncipe, e a língua branda amolece até os ossos.
Provérbios 25.15

Fonte: Site do Pastor

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

TRABALHO EM EQUIPE

Um sábio tinha três filhos jovens, inteligentes e ávidos por sabedoria.
Certa vez, quando os três rapazes estavam discutindo sobre quais seriam os principais obstáculos ao sucesso de um trabalho coletivo, seu pai os chamou e confiou-lhes uma importante tarefa, levar ao príncipe governante três presentes.

O primeiro levaria um vaso muito precioso.

O segundo levaria uma corça rara.

O terceiro levaria um bolo primoroso, receita da família.

O trio recebeu a missão com entusiasmo, mas, no meio do caminho, começaram a discutir.
O que levava o vaso não concordava com a maneira como o irmão puxava a corça delicada; o responsável pelo animal dava instruções ao carregador do bolo, a fim de que não tropeçasse; este, por sua vez, repreendia o portador do vaso valioso, com medo que ele o deixasse cair.
Em dado momento, o que conduzia a corça estendeu a sua mão a fim de consertar a posição da vaso, que, premido pelas inquietações de ambos, escorregou de súbito, espatifando-se no chão. Com o choque, a corça fugiu espantada. O carregador do bolo, ao tentar deter o animal, deixou o bolo cair.
Desapontados e irritados, os três rapazes voltam à presença do pai, apresentando cada qual a sua queixa, culpando uns aos outros pelo desastre.
O sábio, porém, sorriu e disse-lhes:

- Aproveitem este incidente e aprendam: O sucesso de um trabalho em equipe depende de muitas coisas:

a) Que não se perca o senso coletivo;
b) Que um não invada a área do outro, se não lhe for solicitado;
c) Que cada um faça a sua parte do melhor jeito possível;
d) Que cada um valorize, respeite e considere o trabalho do outro.


Consideremo-nos uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras.
Hebreus 10.24

domingo, 20 de fevereiro de 2011

Aos Obreiros Valorosos de Mariana Torres

No sábado 19, foi realizado no Sitio Pinheiro o Encontro Regional da Ameovale em que a Congregação em MT, esteve a frente e quero ressaltar o excelente trabalho realizado pelos irmãos desde od jovens que lá estiveram participando e com muito alegria e bom humor coloriram o local deixando sitio ainda mais belo, o  trabalho dos homens na logistica, para suprir todas as necessidades dando um apoio direto as irmãs que mais uma vez se superaram com um belo café da manhã um delicioso almoço e não podemos deixar de citar aqueles que mesmo nãoestando lá deram sua contribuição de forma direta ou indireta, foi um tempo maravilhoso que passamos naquele lugar, um break nas férias e que foi bom para ver parte dessa equipe maravilhosa que Deus tem nos permitido conduzir, e vendo o trabalho lindo que voces realizaram posso dizer que estou em paz para poder gozar os ultimos dias de férias. Gostaria de pedir a voce que leu esse agraecimento que possa transmitir a toda a Igreja.
BJS
Com muito carinho...
Pastor Sebastião Luiz Chagas e Bete

sábado, 5 de fevereiro de 2011

A APOSTA DOS SENTIMENTOS RUINS

Certa vez, os piores sentimentos que existem apostaram entre si qual deles seria capaz de tomar o lugar da Felicidade que vivia numa casa de família.
O primeiro sentimento a tentar foi a Solidão, porém, em poucos minutos ela saiu de lá, muito decepcionada com seu próprio fracasso. Mas, não contou para os outros sentimentos o quê a levou a fracassar.
O próximo a tentar foi a Tristeza, mas, antes de bater à porta, espiou pela janela e desistiu. Ela também não contou nada para os outros.
O Desespero, a Ansiedade, o Ódio e a Culpa também fracassaram e, igualmente, nada contaram.
Um dia, quando a família saiu para passear com a Felicidade, a Curiosidade e o Atrevimento invadiram a casa, para tentar descobrir porquê nenhum sentimento ruim conseguia entrar ou permanecer ali. Eles pensavam que iam poder xeretar à vontade, mas levaram um susto muito grande, pois, a casa não estava vazia, o Amor estava lá, cuidando de tudo.

Os dois sairam correndo e gritando:

- É o Amor! O Amor vive nesta casa.

- Desistam, pois onde mora o Amor a Felicidade mora junto e não sobra lugar para nenhum sentimento ruim.

O amor jamais acaba.
I Coríntios 13.8

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

NÃO É BOM QUE ESTEJA SÓ

Uma semana após a criação da mulher, o homem voltou-se à Deus e disse-lhe:
- Senhor, a criatura que fizestes para ser minha companheira transformou a minha vida num tormento. Ela fala sem cessar e insiste em que lhe dê atenção o dia inteiro. Chora por qualquer motivo. Fica emburrada com facilidade e é quase impossível fazer com que deixe de ficar emburrada. Vim devolvê-la. Por favor, não se ofenda, mas, não posso viver com ela.

Uma semana depois:
- Senhor, minha vida ficou tão vazia desde que eu lhe devolvi a mulher que me deste. Penso nela o tempo todo, em sua alegria, seus olhos, sua voz, seus beijos e abraços. Como dormia em meus braços, como se fosse um anjo. Se for possível, Senhor, peço que a devolva para mim.

Uma semana depois:
- Senhor, não sei como lhe explicar, mas nestas últimas semanas cheguei à conclusão que ela me causa mais problemas do que alegrias. Tome-a de volta, por favor! Não consigo viver com ela!

- Mas, também não pode viver sem ela!

- É verdade, Senhor, não consigo viver com ela e não consigo viver sem ela. O quê está acontecendo comigo, meu Deus?

- Você acaba de descobrir o AMOR. O único modo de vocês conseguirem viver juntos é com amor.

Disse mais o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só.
Gênesis 2.18

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

O HOMEM, SEU FILHO E O BURRO

Um homem ia com o filho levar um burro para vender no mercado.


– O que você tem na cabeça para levar um burro estrada afora sem nada no lombo enquanto você se cansa? – disse um homem que passou por eles.
Ouvindo aquilo, o homem montou o filho no burro, e os três continuaram seu caminho.


– Ô rapazinho preguiçoso, que vergonha deixar o seu pobre pai, um velho, andar à pé enquanto vai montado! – disse outro homem com quem cruzaram.
O homem tirou o filho de cima do burro e montou ele mesmo.



assaram duas mulheres e uma disse para a outra:
– Olhe só que sujeito egoísta! Vai no burro e o filhinho a pé, coitado...
Ouvindo aquilo, o homem fez o menino montar no burro.

O primeiro viajante que apareceu na estrada perguntou ao homem:
– Esse burro é seu?
O homem disse que sim. O outro continuou:
– Pois não parece, pelo jeito como o senhor trata o bicho. Ora, o senhor é que devia carregar o burro em lugar de fazer com que ele carregasse duas pessoas.
Na mesma hora o homem amarrou as pernas do burro num pau, e lá se foram, pai e filho aos tropeções, carregando o animal para o mercado.



Quando chegaram, todo mundo riu tanto que o homem, enfurecido, jogou o burro no rio, pegou o filho pelo braço e voltou para casa.

Moral da história:
Quem quer agradar todo mundo, no fim não agrada ninguém.

Do livro: Fábulas de Esopo - Companhia das Letrinhas

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

VIRE A PÁGINA!

Osvaldo trabalhou muitos anos como capataz de uma fazenda em Crixás, Goiás, até conseguir economizar um dinheiro que lhe possibilitou adquirir uma boa propriedade em Araguatins.
Levou a família para lá e trabalhou mais de um ano arrumando cerca, roçando mato, cultivando a terra.
Quando ia fazer a primeira colheita, descobriu que havia sido enganado por falsários. A propriedade, de fato, não lhe pertencia. Debaixo de ameças, ele a sua família deixaram tudo para trás e voltaram a Crixás e à "estaca zero".
Osvaldo entrou em depressão. O mundo acabou para ele. A vida perdeu a graça. Ele perdeu até o ânimo para trabalhar. Entregou os pontos.
Seu antigo patrão, que gostava muito dele, convidou-o para acompanhá-lo numa viagem a Goiânia para ajudá-lo a escolher um carro.
Depois de comprar o veículo, foram ao Hospital do Câncer “Araújo Jorge”.
Osvaldo não entendeu muito bem o que estavam fazendo ali, mas ficou sentado na sala de espera, ao lado do seu amigo, observando todo aquele sofrimento, dor, lágrimas, desespero.
Homens e mulheres, velhos e crianças, ricos e pobres, gente feia e gente bonita; todos padecendo.
Nenhum dos dois disse nada. Não foi preciso.
Imediatamente, a depressão de Osvaldo foi-se indo embora, pois não se tratava de uma doença, apenas de uma profunda tristeza por ter sido enganado. Mas, ali, em meio à todo aquele sofrimento, o capataz compreendeu que apesar de ter perdido tempo, dinheiro e esperança, ele e sua família continuavam vivos e com saúde.
Osvaldo decidiu virar aquela página de sua vida, agradeceu a Deus e voltou a trabalhar.

Tem compaixão de mim, ó Senhor, porque estou angustiado; consumidos estão de tristeza os meus olhos,
a minha alma e o meu corpo.    
                                                                                                                                         Salmo 31-9




terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

TRÊS CEGOS E UM ELEFANTE

Colocaram um elefante em frente de três cegos e disseram-lhes: "Há um animal na vossa frente. Toquem nele e depois digam o que é".


Nenhum daqueles três homens jamais tinham tido qualquer contato com um elefante, portanto, não faziam a menor idéia de como ele era. O primeiro aproximou-se, tocou numa parte do animal e disse: "Que animal esquisito... mais se parece com um muro". O segundo homem tocou em outra parte e disse: "Muro???... para mim, mais se parece com uma lança". "Pois, para mim, mais se parece com uma cobra!", exclamou outro, com um pouco de medo. "Bem...", disse um deles, "... também se parece com uma árvore". Todos riram. "Ou, com uma corda!". Finalmente, um deles tentou mais uma vez: "Que nada... se parece com um grande abanador". Riram ainda mais.

"Tantas opiniões diferentes" dirá o prezado leitor. "Que grande confusão". Mas não é, pois, o elefante tem, na verdade, flancos como muros, dois grandes dentes como lanças, tem uma tromba que parece uma cobra, e pernas como pequenas árvores, o rabo parece uma corda e, as orelhas se parecem com grandes abanadores. Juntando tudo isto, temos uma descrição, quase perfeita, de um elefante! Cada um dos cegos "VIU" o elefante numa ótica, mas, nenhum deles pode "ver" o elefante inteiro, pois ele era muito grande.

Assim é também a nossa percepção de Deus: cada um de nós pensa que tem uma perfeita compreensão do seu ser, mas, Deus é grande demais para a mente de qualquer um de nós.

Fonte: Contos e Pontos (adaptado)

O SEGREDO DO RELÓGIO

O colégio onde eu estudava, em menina, costumava encerrar o ano letivo com um espetáculo teatral. Eu adorava aquilo, porém nunca fora convidada para participar, o que me trazia uma secreta mágoa.
Quando fiz onze anos avisaram-me que, finalmente, ia ter um papel para representar. Fiquei felicíssima, mas esse estado de espírito durou pouco: escolheram uma colega minha para o desempenho principal. A mim coube uma ponta, de pouca importância.
Minha decepção foi imensa. Voltei para casa em pranto. Mamãe quis saber o que se passava e ouviu toda a minha história, entre lágrimas e soluços. Sem nada dizer ela foi buscar o bonito relógio de bolso de papai e colocou-o em minhas mãos e perguntou:
- O quê eu coloquei em suas mãos, filha?
- O relógio de ouro do papai, respondi.
Em seguida, mamãe abriu a parte traseira do relógio, desvendando seu mecanismo para mim, e perguntou:
- O quê você está vendo aí atrás do relógio do papai?
- Ora, mamãe, aí dentro tem um monte de rodinhas e parafusos.
- E o quê é mais importante, a parte da frente ou a parte de trás do relógio?
- As duas - respondi prontamente.
Mamãe me surpreendia, pois aquilo nada tinha a ver com o motivo do meu aborrecimento. Entretanto, calmamente ela prosseguiu:
- Este relógio tão bonito, seria absolutamente inútil se nele faltasse qualquer parte, se tivesse a parte da frente sem a detrás ou a de trás sem a da frente. Mesmo a mais insignificante das rodinhas ou o menor dos parafusos, por mais escondido que esteja, é essencial ao seu bom funcionamento.
Nós nos entrefitamos e, no seu olhar calmo e amoroso, eu compreendi tudo o que ele queria me dizer, sem que precisasse dizer mais nada.

A momentos na vida que nos sentimos  sem valor, sem importancia, estamos na igreja mais achamos que outros cargos são mais importante que o nosso, ou que o fato de só assistir o culto  e ir embora não tem importancia, engano, pois todos na casa de Deus tem o seu valor e sua importancia, sem você o corpo fia defeitooso, e não é o nosso corpo é o de Cristo, nessa manhã saiba que voce é importante e sua presença é indispensavel, tem um louvor que diz "Quero que valorize o que você tem, você é um ser você é alguém, importante para Deus"   
Então levanta a cabeça encha o coração de expectativa de que o próximo culto em sua igreja será o melhor culto do ano, que a ação de Deus será sobrenatual e que Deus, conta com a sua presença.  

Embora muitos, somos um só corpo em Cristo.
Romanos 12.5


Fonte: Site do Pastor