segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Boas Vindas ao Hóspede

Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a Minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo. Apoc. 3:20. O livro do Apocalipse é como um filme de ação. Os protagonistas têm perfis diversos: cavalos, cavaleiros, dragões, rãs, besta que sobe do mar, besta que sobe da terra, mulher vestida de sol, anjos bons, anjos maus, serpente, grande multidão, e assim por diante. Mas o Personagem principal nesse impressionante filme, é Jesus Cristo. O último capítulo desse filme apresenta-O como Rei dos reis e Senhor dos Senhores. Mas, enquanto não chega o dia de Sua volta à Terra, Jesus deseja ser Hóspede de nosso coração. Ele bate à porta de cada um de nós pelo fato de estarmos mornos. Ele mesmo fez um diagnóstico de nossa vida espiritual e viu que somos presunçosos. E a prova disso está em Apocalipse 3:17: "Pois dizes: Estou rico e abastado e não preciso de coisa alguma, e nem sabes que tu és infeliz, sim, miserável, pobre, cego e nu." Só a presença de Jesus pode eliminar a mornidão. Só a presença de Jesus pode acabar com nossa pobreza espiritual. Só a presença de Jesus pode extinguir o falso conceito de que somos bons. No verso de hoje há duas verdades: Cristo pode ser mantido fora, e a porta do coração só pode ser aberta pelo lado de dentro. O Hóspede bate, mas não força a nossa vontade. Respeita o livre-arbítrio de que nos dotou. Enquanto Jesus estiver do lado de fora, nosso coração continuará escuro e sujo. O Hóspede quer entrada franca. Mas antes que Ele entre, o outro hóspede precisa sair. Esse outro hóspede é responsável pela mornidão de nossa vida; é responsável pela presunção que nos caracteriza, na fase laodiceana da igreja. A entrada do Hóspede divino produz uma mudança radical. A primeira coisa que Ele faz, é nos vestir com Sua justiça. Somos justificados. Somos declarados filhos de Deus. Mudamos de status. A segunda coisa que ocorre, é a santificação. A presença de Jesus tem poder santificador. Onde Ele está, tudo é separado para propósitos elevados. John Bunyan usa muitos personagens para ilustrar lições espirituais. Um deles é Alma Humana. Ele a descreve como estando sitiada por muitos inimigos. Eles querem invadi-la a todo custo. Mas Cristo está lá dentro. Infelizmente, após muita luta, Alma Humana deixa de dar atenção a Cristo e começa a parlamentar com o inimigo. Desse modo, é facilmente derrotada. Nestes dias de tantos debates, temos a tendência de argumentar com o inimigo. Este foi o erro de Eva: um bate-papo com a serpente. A princípio, ela deve ter achado interessantíssimo aquele diálogo. Mas sabemos o que aconteceu. Quando Cristo está dentro, não devemos abrir a porta para conversar com o inimigo. Só o Hóspede divino merece nossa atenção. Pergunta para reflexão: Você está convicto de que tem o Hóspede divino no trono de seu coração?