segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

PERDÃO

Um dos aspectos mais importantes do Evangelho de Cristo é a mensagem que fala sobre o perdão. Perdão no seu sentido mais amplo. Perdão incondicional. Perdão sem acepção de pessoas. Esta é a mensagem que a Igreja deve viver e pregar.Na verdade, ela prega que Jesus morreu para libertar o mais vil pecador. Todos os cristãos acreditam nesta verdade.
Jesus é o grande perdoador.
Se uma prostituta se aproxima dele pedindo misericórdia, ela pode voltar a viver uma vida completamente livre desse pecado.
Se um ladrão ouve o Evangelho e se converte, ele recebe de imediato o perdão de seus delitos. Isto nos dá uma visão de que a mensagem que a Igreja prega, vale para todos os homens independentemente da situação de pecado em que vivem.
No entanto, não é bem assim que acontece.
A realidade nos mostra que esse perdão vale para todos, menos para o crente. Talvez você já tenha percebido isto em sua comunidade. O grande problema é que ao se tornar membro da igreja, o crente perde muito em relação à mensagem que ouve.
Ao invés de continuar sendo uma mensagem de perdão incondicional, ela muda para uma mensagem de condenação.Coitado do crente que erra, que por algum motivo sai dos eixos estabelecidos pela igreja.
Uma vez dentro, ele se torna alvo de uma fiscalização implacável.Quem mais sofre com esta postura de desamor é o crente fraco, o débil na fé. Aquele que abraçou o Evangelho, mas não conseguiu ainda se desvencilhar dos esparadrapos do mundo.
Isto tem provocado um grande êxodo de pessoas, que deixam a comunhão dos santos, para viverem do lado de fora numa comunhão mais calma e tranqüila com os incrédulos.Veja um exemplo que pode ocorrer em qualquer igreja desta cidade.
Considere a confissão de uma pessoa feita ao pastor, ou a um dos dirigentes da comunidade.
“Pastor, ore por mim, porque eu pequei...” Então, esta pessoa relata os detalhes do seu pecado, cheia de lágrimas e arrependimento.
“Bem irmã, quando foi que a senhora cometeu estas coisas: foi antes ou depois da sua conversão?”E ela de cabeça baixa responde ao pastor: “Foi antes da minha conversão”!
A resposta do pastor vem cheia de alegria e convicção:
“Ah minha irmã, não há problema! Você não sabe que Jesus já morreu pelos nossos pecados?
A irmã já foi perdoada em nome do Senhor”.
Esta é a mensagem que toda a Igreja prega.
A Bíblia afirma que não há nenhuma condenação para aqueles que estão em Cristo Jesus.
O arrependimento sincero afasta qualquer pecado que porventura tenhamos cometido.
Agora, voltemos à mesma senhora. Pense na possibilidade dela ter dito ao pastor que o seu pecado foi cometido após a sua conversão!
Será que ele agiria da mesma maneira?
Será que a sua reação seria tão vibrante e cheia de entusiasmo?
Certamente que não. Agora ele teria que levar o caso ao conselho da igreja para ver se ela poderia ou não continuar fazendo parte do grupo de santos. A igreja não tolera erros de seus membros.
Ela não percebe que não há nenhuma diferença para Jesus entre o “antes” e o “depois”.
É lógico que o problema desta senhora permaneceu o mesmo não importando se o seu pecado foi cometido antes ou depois de sua conversão. Se uma pessoa peca ela carece do perdão de Deus. O Senhor não mudou a sua maneira de agir para com aqueles que entraram em aliança com ele. Pelo contrário, ele renova as suas misericórdias sobre todos os que nele confiam.
Está na hora (eu penso que esta hora já passou há muito tempo) da igreja repensar seriamente sobre aqueles que ela perdeu.
Do lado de fora há muitos que se desviaram do caminho. Talvez não por vontade própria, mas pela intransigência e excesso de santidade dos que continuam sendo o que sempre foram: pecadores. O apóstolo João chamado o apóstolo do amor percebeu este perigo ao escrever a sua primeira carta. Leia com atenção o que ele afirmou:
“Meus filhinhos, escrevo-lhes estas coisas para que vocês não pequem. Se, porém, alguém pecar, temos um intercessor junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo. Ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos pecados de todo o mundo”. (1 Jo 2. 1-2).
João implorou que o povo de Deus não pecasse.
Mas não deixou de esclarecer que se alguém pecar, pode contar com a defesa de um grande Advogado. Isto nos ensina que o perdão de Deus funciona não apenas para o mundano, o pecador que se converte. Ele funciona também para o crente, o seguidor de Jesus que por algum motivo se desvia do caminho.Que Deus nos dê um coração que saiba perdoar, principalmente aquele que vive ao nosso lado. Seja ele um irmão ou irmã em Cristo, seja o esposo, ou esposa, filhos ou filhas, amigos ou parentes. Esta é a mensagem que o Senhor nos deu para pregar. Não a mudemos!
www.novavida.com.br