segunda-feira, 27 de julho de 2009

ORGULHO

O FRACASSO DO ORGULHO ([1]) Pedro começou a cair dramaticamente quando permitiu que o orgulho e a prepotência se abrigassem em seu coração. Então, confiante e atrevido como sempre, travou um diálogo acalorado com Jesus. O Mestre estava preocupado com a sua perseverança nos momentos de crise. Jesus procurou advertir os discípulos para que não ocorresse com eles aquilo que Ele já havia previsto que aconteceria com muitos: “Os que estão à beira do caminho são os que ouvem; mas logo vem o diabo e tira-lhes do coração a palavra, para que não suceda que, crendo, sejam salvos. Os que estão sobre a pedra são os que, ouvindo a palavra, a recebem com alegria; mas estes não têm raiz, apenas crêem por algum tempo, mas na hora da provação se desviam” ([2]). Pedro não sabia que aquelas palavras se encaixariam perfeitamente ao seu procedimento futuro: “Na hora da provação se desviam...” Mas não foi por falta de aviso que Pedro fracassou. Jesus falou de uma forma bem clara e franca quanto aos perigos que se avizinhavam; e procurou instruir-lhes da melhor forma para não serem surpreendidos: “Amados, meus amados filhos, como são curtos estes momentos antes que eu precise ir embora e deixar vocês! Nessa hora, ainda que vocês me procurem não poderão vir a mim. Tal como eu disse aos líderes judaicos. E por isso eu estou dando-lhes agora um novo mandamento – amem-se uns aos outros quanto eu amo vocês. Esse profundo amor que vocês tiverem uns para com os outros provará ao mundo que vocês são meus discípulos.” Ao que, então, Pedro perguntou: “Mestre, para onde Tu vais?” E Jesus respondeu: _ “Você não pode ir comigo agora; porém, mais tarde você me seguirá.” _ “Mas por que eu não posso ir agora?” – indagou surpreso. E continuou: “Pois estou pronto a morrer por ti.” Jesus sorriu suavemente e ironizou: “Morrer por mim? Antes do galo cantar amanhã de madrugada, você negará três vezes até mesmo que me conhece!” ([3]). E Jesus ainda acrescentou: “Esta noite vocês todos me abandonarão. Porque está dito nas Escrituras que Deus derrubará o Pastor e as ovelhas do rebanho serão dispersas. Mas depois que eu tiver sido trazido à vida novamente irei para a Galiléia e me encontrarei com vocês lá” ([4]). Então Jesus prosseguiu alertando-o: “Simão, Simão, Satanás pediu você para peneirá-lo como trigo, porém eu em oração supliquei por você, para que a sua fé não fracassasse completamente. Portanto, quando você se tiver arrependido e tiver voltado para mim, fortaleça e robusteça a fé dos seus irmãos ([5]). Mas ele não se dava por vencido facilmente, nem mesmo por Jesus. Assim, replicou: “Ainda que me seja necessário morrer contigo, de modo algum te negarei... E o mesmo disseram todos os discípulos” ([6]). O orgulho, inevitavelmente, leva o homem ao endurecimento do coração. Há aqueles que se endurecem porque confundem seus próprios conceitos e desejos como sendo a vontade de Deus expressa. Quando estabelecemos padrões humanos, ou parâmetros humanos, para nos posicionarmos espiritualmente, corremos pelo menos três grandes riscos: 1o – Nos decepcionar profundamente ao conhecermos melhor aquele a quem colocamos como padrão. 2o – Corremos o risco de nos tornarmos complexados e frustrados diante de pessoas semelhantes a nós, a quem julgamos muito acima do nosso nível intelectual, moral, espiritual, etc. 3o – Corremos o risco de nos tornar orgulhosos a tal ponto de não percebermos o mal que se avizinha. Foi o que aconteceu com Pedro. Estava tão empolgado com sua capacidade pessoal, tão senhor da situação, que não percebeu que Jesus estava falando sobre o inimigo que já estava de olho nele.
[1] Mt 26.30-35 [2] Lc 8.12-13 [3] Jo 13.33-38 – O N.T. Vivo – Ed. Mundo Cristão [4] Mt 26.31-32 – Idem [5] Lc 22.31-32 – A BÍBLIA VIVA [6] Mt 26.35- Pr. Vanderlei Faria