sábado, 14 de janeiro de 2017

O PRECIOSO SANGUE DE CRISTO


Já vimos anteriormente que o homem tem basicamente um problema : a independência. Essa  independência consumada produz uma série de complicações, que justamente são os nossos pecados (desobediência, blasfêmia, mentiras, fornicação, etc...). Na carta de Romanos, Paulo divide muito bem o assunto no próprio corpo da epístola. Será de grande utilidade vermos essa divisão.

De Romanos 1:1 até 5:11 ele está falando dos atos pecaminosos do homem, e de 5:12 até 8:39 ele está falando da atitude do homem, ou seja “o pecado”. Na primeira seção considera-se a questão dos pecados cometidos diante de Deus, que são muitos e que podem ser enumerados 

É nesse ponto que vamos ficar por enquanto.
Quando a luz de Deus brilha pela primeira vez em nossos corações, clamamos por perdão, porque compreendemos que cometemos pecados diante dEle. Portanto o Sangue de Cristo trata com esse primeiro problema que vemos: os nossos pecados. O Sangue de Cristo é de grande valor para nós, porque trata com os nossos pecados e nos justifica à vista de Deus conforme declara as seguintes passagens: Romanos 5:8-9; 3:24-26.

O pecado se manifesta na forma de desobediências, para criar, em primeiro lugar, separação entre o homem e Deus. Em segundo lugar o pecado comunica ao homem um sentimento de culpa, de afastamento de Deus. E ainda não é tudo, porque o pecado oferece também a Satanás uma possibilidade de acusação diante de Deus. Portanto temos três problemas que precisam ser solucionados :
1. Nossa separação de Deus
2. As acusações de nossa consciência.
3. As acusações de Satanás

Vamos ver cada um desses problemas e a solução provida pelo Sangue isoladamente.

1. O SANGUE É PRIMARIAMENTE PARA DEUS
É a santidade de Deus , a justiça de Deus que exige que uma vida sem pecado seja dada em favor do homem. Há vida no sangue, e aquele Sangue tem que ser derramado em favor de mim, pelos meus pecados. Deus requer que o Sangue seja apresentado com o fim de satisfazer a sua própria justiça, e é Ele que diz: “Vendo eu o Sangue passarei por cima de vós” Êxodo 12:13. O Sangue de Cristo satisfaz a Deus inteiramente. É necessário esquecermos o valor que nós damos ao Sangue para visualizarmos o quanto Deus dá valor ao Sangue.
a) No antigo testamento, o sangue de animais satisfazia, temporiaramenta, a justiça de Deus: “ Porque, se a aspersão do sangue de bodes e de touros, e das cinzas duma novilha santificava os contaminados, quanto à purificação da carne,” Hebreus 9:13

b) Na nova aliança não há outra coisa que satisfaça a justiça de Deus senão o Sangue. “sendo justificados gratuitamente pela sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus, ao qual Deus propôs como propiciação, pela fé, no seu sangue, para demonstração da sua justiça por ter ele na sua paciência, deixado de lado os delitos outrora cometidos; para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e também justificador daquele que tem fé em Jesus.” Romanos 3:24-26

Portanto o Sangue resolve nosso problema de separação de Deus. Por meio do Sangue temos livre acesso ao Senhor.

2. O SANGUE SATISFAZ A NOSSA CONSCIÊNCIA  
Agora temos que considerar que, em nossa condição de incrédulos não éramos tão molestados pela nossa consciência, até que a Palavra de Deus começou a nos despertar. Quando cremos a nossa consciência pode se tornar extremamente sensível, e isto pode vir a ser real problema para nós. O sentimento de pecado ou de culpa pode se tornar tão grande, tão terrível, que quase nos paralisa porque nos faz perder de vista a verdadeira eficácia do Sangue.
Algumas vezes chegamos ao ponto de imaginar que os nossos pecados são maiores que a eficácia do Sangue. Por que isso?
a) Não sabemos o valor que Deus dá ao Sangue. Isso nós já consideramos no item anterior.
Devemos estar fundamentados nisso, crendo que só o Sangue de Cristo satisfaz a justa
exigência de Deus.

b) Não aceitamos a avaliação que Deus faz do Sangue. Podemos saber o valor que Deus dá ao Sangue, mas não aceitarmos isso. Achamos que não é possível que seja assim, que devemos fazer algo mais e assim nossa consciência não se cala porque ainda queremos fazer algo mais para nos justificarmos diante de Deus. 

c) Muitas vezes não avaliamos o Sangue pela visão que Deus tem dele, mas procuramos avaliá-lo pelos nossos sentimentos. Algumas vezes sentimos, outras vezes não.Portanto é necessário calar a nossa consciência demonstrando a ela o valor que Deus dá ao Sangue e ainda mais, que cremos nessa avaliação. Temos que crer que o Sangue é preciosopara Deus por que Ele assim o diz. sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver, que por tradição recebestes dos vossos pais, mas com precioso sangue, como de um cordeiro sem defeito e sem mancha, o sangue de Cristo, I Pedro 1:18,19

Portanto devemos ter nossa consciência purificada pelo Sangue. Não importa se nossos sentimentos dizem o contrário. Se confessamos o nosso pecado, pondo-o na luz, temos que crer que o Sangue de Cristo já atuou e que não precisamos confessar, confessar e confessar até nossos sentimentos avaliarem se estamos ou não perdoados.

3. O SANGUE VENCE AS ACUSAÇÕES DE SATANÁS
Em face do que temos dito, podemos agora voltar-nos para encarar o inimigo, porque há um outro aspecto do Sangue que diz respeito a satanás. A bíblia diz que ele é “o acusador dos irmãos” (Apocalipse 12:10), e o nosso Senhor o enfrenta como tal em seu ministério de Sumo Sacerdote, pelo seu próprio Sangue (Hebreus 9:12). 

Como é então que o sangue opera contra satanás?
a) Colocando Deus ao lado do homem. Com a queda, foi introduzido no homem algo que impedia Deus de, moralmente, defender o homem. Eram nossos pecados diante de Deus que não permitiam que Deus pudesse estar ao nosso lado contra satanás. Mas o Sangue removeu essa barreira; nós agora estamos certos com Deus, e com Deus ao nosso lado podemos encarar satanás sem tremor.

b) “O Sangue de Jesus Seu Filho, nos purifica de todo pecado”(I João 1:7). Não é “todo pecado” no seu sentido geral, é cada pecado, um por um. Deus está na luz, e a medida que andamos na luz, tudo fica exposto e patente a ela de modo que Deus pode ver tudo; e nessas condições o Sangue nos purifica de todo pecado. Com os pecado perdoados não há acusação de satanás que prevaleça.

CONCLUSÃO
É este o fundamento que nos firmamos: Nunca devemos procurar estar limpos diante de Deus, de nossa consciência e vencer as acusações de satanás tendo por base a nossa boa conduta e sim, confiando no Sangue. Que possamos ver mais do valor do precioso Sangue de Cristo, aos olhos de Deus, pois assim venceremos até o final.E eles o venceram pelo sangue do Cordeiro e pela palavra do seu testemunho; e não amaram as suas vidas até a morte. Apocalipse 12:11

Por: Pr. Josias Moura de Menezes


Desejamos o conhecimento de Deus?

As tuas mãos dirigem meu destino,
Ó Deus de amor, bom é que seja assim!
Teus são os meus poderes,
Minha vida, em tudo, eterno Pai, dispõe de mim!

Meus dias sejam curtos ou compridos,
Passados em tristeza ou prazer,
Em sombra ou luz é tudo como queres,
E é tudo bom, se vem do teu querer.

A extensão de nosso contentamento é outro critério pelo qual podemos julgar se conhecemos a Deus de verdade.
Desejamos tal conhecimento de Deus?
Primeiramente, precisamos reconhecer como é pequeno nosso conhecimento sobre Deus. Precisamos aprender a nos medir, não pelo nosso conhecimento de Deus, nem pelos dons e pelas responsabilidades que tenhamos na igreja, mas pelo modo como oramos e por aquilo que vai em nosso coração. Muitos de nós, creio, não têm idéia de quão pobres somos neste sentido. Peçamos que Deus nos mostre isso.
Em segundo lugar, precisamos buscar o Salvador. Quando ele estava na terra convidava os homens a acompanhá-lo; desse modo vinham a conhecê-lo e, conhecendo-o, conheciam o Pai. O Antigo Testamento registra manifestações do Senhor Jesus Cristo antes da encarnação, fazendo o mesmo — acompanhando os homens, como o anjo do Senhor, a fim de que pudessem conhecê-lo. O livro de Daniel conta dois fatos que parecem ser dois desses exemplos — pois quem era o quarto homem que "se parece com um filho dos deuses" (3:25), e passeava com os três amigos de Daniel na fornalha? E quem era o anjo que Deus mandou para fechar a boca dos leões quando Daniel estava na cova dos leões (6:22)? Embora o Senhor Jesus Cristo agora não esteja presente em corpo, espiritualmente isso não faz diferença; ainda podemos encontrar e conhecer a Deus buscando e achando sua companhia. Os que buscarem o Senhor Jesus até encontrá-lo — pois a promessa é que se o buscarmos de todo o coração com certeza o encontraremos — poderão levantar-se diante do mundo para testificar que conhecem a Deus.

sábado, 7 de janeiro de 2017

O AMOR AO DINHEIRO É O PRINCÍPIO DOS MALES

Há muito tempo deixamos de ser o que deveríamos ser, para sermos aquilo que possuímos, uma vez que, em sua grande maioria, aquilo que possuímos também é aquilo que nos possui; mas não deveria ser assim.
Deixamos de usar o que possuímos em função de nossas vidas, para vivermos em função daquilo que possuímos.
Nos esquecemos de quando éramos crianças e nada possuíamos, mas mesmo assim éramos felizes e agora vivemos num ciclo vicioso que nos aprisiona cada vez mais e mais, nos tornando cada dia mais dependentes e amantes de nossos bens, a ponto de depositarmos neles toda a nossa felicidade e confiança.
Ou seja, dizemos que a nossa prioridade é Deus, mas não conseguimos deixar de amar aquilo que conquistamos e muito menos nos imaginar longe daquilo que conquistamos.
Será que continuaríamos sendo agradecidos a Deus se acordássemos algum dia e não fossemos mais donos daquilo que hoje temos?
Amamos tanto aquilo que possuímos, porém, sem nunca nos saciarmos e querermos sempre mais e muito mais. 
Amamos tanto os nossos bens e os bens que sonhamos um dia possuir, que fomos capazes de deturpar a Bíblia e transformamos a nossa idolatria pelo dinheiro em "prosperidade financeira". 
Somos tão covardes e hipócritas que chegamos ao ponto de transformarmos o nosso pecado de idolatria em resultado de uma suposta consequência por nossa suposta "devoção", "amor" e "intimidade" com Deus.
Não estou afirmando com isso que ter bens e possuir uma situação financeira confortável seja pecado. O que estou afirmando é que o pecado consiste em nos apegarmos tanto ao material a ponto de sermos capazes de distorcer e aplicar a Bíblia de tal forma que o nosso pecado deixe de ser pecado e se torne em virtude (pelo menos diante dos olhares humanos). 
As igrejas, que antes eram procuradas por pessoas que se viam na situação de pecadoras e necessitadas do perdão e da graça de Deus, hoje são invadias por pessoas que querem crescer, prosperar financeiramente. É claro que não generalizo, pois ainda existem igrejas sérias e comprometidas com a mensagem da cruz.
Mas infelizmente, o neopentecostalismo e sua mensagem distorcida sobre a prosperidade se espalhou com tanta força pelo Brasil a fora e pelo mundo, que a palavra "arrependimento" tem perdido completamente o seu sentido, bem como as palavras "amor", "perdão", "compromisso", "eternidade", "céu", "inferno" e por ai vai.
Oramos tanto para um dia alcançarmos as TV´s a fim de pregarmos o evangelho e quando finalmente esse dia chegou, o amor pela "prosperidade financeira" já era muito maior do que o amor pelo evangelho e pelas pessoas perdidas. Os "líderes" que antes lutavam contra a teologia da prosperidade, hoje são os seus maiores defensores e trazem em punhos essa maldita bandeira.
Clamo a Deus para que os verdadeiros líderes não se calem e se levantem com autoridade contra esse "novo evangelho" totalmente contrário a Bíblia que tem sido pregado em nossos dias.
Somos pecadores e necessitamos do perdão e da graça de Deus em nossas vidas e não dinheiro sobrando e carro do ano.
É muito triste ver as pessoas limitando o evangelho de Cristo simplesmente a vida material, ignorando assim a vida espiritual e consequentemente a eternidade.
Prosperidade financeira está relacionada a trabalho e dedicação e não a fé. 
Devemos buscar a Deus pelo o que Ele é e por tudo o que Ele já fez por nós, e não pelo o que queremos que Ele nos faça.
Quem se entrega a Deus esperando retorno financeiro está barganhando com Deus, ao mesmo tempo em que não existe entrega alguma.
O evangelho de Jesus é sério demais, não deve ser encarado e vivido dessa forma que temos visto.
Quebre o nosso orgulho Senhor e nos coloque novamente em seus santos caminhos, esta é a minha oração.
(Daniel Gummi A. de Souza)

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

O JEJUM


1. TIPOS DE JEJUM.
a) NORMAL (Mateus 4.2). É a abstenção de alimentos sólidos e líquidos (com exceção de
água), por um ou mais dias.
b) ABSOLUTO (Atos 9.9; Deuteronômio 9.9; I Reis 19.8). É a abstenção total de comida e
de água. Não deve durar muito tempo, pois é prejudicial à saúde. O jejum de Moisés e de
Elias (absoluto por 40 dias) foi sobrenatural.
c) PARCIAL (Daniel 10.3). É uma restrição na dieta diária, e não uma abstenção completa.

2. PROPÓSITOS DO JEJUM.
a) Santificação individual (Salmo 69.10; 35.13). O jejum é um corretivo divino; nos prepara,
quebra o orgulho e humilha a alma.
b) Para que Deus nos ouça (Esdras 8.21-23; Neemias 9.1-3). O jejum dá poder às orações. A
oração é a guerra contra as forças opositoras. O jejum expressa, aprofunda e confirma o
que pedimos p/ o reino de Deus.
c) Para fazer com que Deus mude a direção das coisas (Jonas 3.4-10). Aqui, a cidade
prevaleceu pelo jejum e oração.
d) Para soltar os cativos e derrotar a Satanás (Isaías 58.6; 49.24-25). O jejum dá força e poder
contra Satanás. Obriga-o a soltar os homens que são seus escravos.
e) Para receber revelação (Daniel 9.2-3; 21-22). Necessitamos constantemente de revelação
de Deus para nossas vidas.
f) Para subjugar o corpo (I Coríntios 9.27; Êxodo 16.3; Números 11.4-5) O jejum nos ajuda a
disciplinar o corpo. Os apetites do corpo são lícitos mas temos que tê-los sob controle; o
físico submisso ao espiritual.

CONCLUSÃO
Alguns grupos tido como “cristãos” dizem que o jejum é parte da lei e que portanto na graça
não há necessidade de jejuarmos. Isso contraria as palavras de Jesus que diz “Quando
jejuardes”(Mateus 6:16) e não “se jejuardes”. Também contraria as palavras do apóstolo Paulo
que diz “em açoites, em prisões, em tumultos, em trabalhos, em vigílias, em jejuns” (II
Coríntios 6:5).
Pr. Josias Moura de Menezes

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

A PALAVRA


“...Ele te humilhou, e te deixou ter forme, e te sustentou com o maná, que tu não conheceste,
nem teus pais o conheceram, para te dar a entender que nem só de pão viverá o homem, mas
de tudo o que procede da boca do Senhor, disso viverá o homem”. Deuteronômio 8.3

1. O QUE A PALAVRA DE DEUS PRODUZ EM NÓS?
 ORIENTAÇÃO (Salmo 119.105)
 ESTABILIDADE (Efésios 4.14)
 SABEDORIA (Salmo 119.99-100)
 VITÓRIA CONTRA O PECADO (Salmo 119.11)
 PAZ (Salmo 119.165)
 ESPERANÇA (Romanos 15.4)
 REVELAÇÃO (Hebreus 4.12)

2. O QUE NÓS DEVEMOS FAZER COMAPALAVRADE DEUS?
 DESEJAR (I Pedro 2.2)
 TEMER COM TREMOR (Isaías 66.2)
 EXAMINAR (Atos 17:11)
 BUSCAR (Isaías 34.16)
 GUARDAR NO CORAÇÃO (Deuteronômio 11.18; Colossenses 3.16)
 PRATICAR (João 15.7; Tiago 1.22-25)
 ENSINAR (Deuteronômio 11.19)

3. COMO DEVEMOS LER A PALAVRA DE DEUS
a) Começar pelos evangelhos. Ler, na ordem, os quatro evangelhos no mínimo duas vezes.
Depois o livro de Atos, as epístolas e por último Apocalipse.
b) Os tipos de leitura são:
 Devocional: Nesse tipo de leitura a ênfase está em particularizar a Palavra, não levando em conta o aspecto histórico, doutrinário, etc. Se lê poucos versículos, meditando, “ruminando” a Palavra para extrair tudo para nossas vidas, em caráter pessoal.
 Sistemática: Nessa tomamos a Palavra como um todo, de maneira ordenada. Deve-se ler capítulos para que não se perca o contexto.
c) Ler com oração, pedindo que o Espírito Santo descortine a Palavra para nós
d) Memorizar as verdades centrais da Palavra
e) Ler primordialmente o novo testamento pois nele estão contidas as realidades e não as sombras (Colossenses 2:16,17)

CONCLUSÃO
Devemos ter uma disciplina de leitura e meditação da Palavra de Deus. Não devemos afrouxar nem um pouco nesse ponto. Quando nos distanciamos da leitura constante da Palavra de Deus corremos o risco de cair no fanatismo (na prática é observar preceitos de homens cegamente sem questionar pela Palavra de Deus) ou misticismo (interpretar a Palavra de acordo com as experiências espirituais subjetivas; espiritualidade sem fundamento).
O sangue de muitos irmãos foi derramado para que a Palavra de Deus conforme temos conosco pudesse ser preservada; inúmeras foram as tentativas de tirá-la de nós ou de ridicularizá-la, porém ela permanece como uma rocha perante tudo isso. Nós que cremos na restauração do Senhor temos que ser, mais do que ninguém, fiéis à leitura constante da Palavra para que possamos receber revelação de Deus sobre a plenitude de Deus na Igreja.

Pr. Josias Moura de Menezes

AS BASES DA VIDA COM DEUS

1. A ORAÇÃO 
1.1 O QUE É ORAÇÃO E QUAL A SUA IMPORTÂNCIA?
(Filipenses 4.6; Mateus 7.7-11)

a) Deus conhece todas as coisas, mas ele quer que lhe peçamos. Deus não quer agir sozinho.
Ele quer que seus filhos trabalhem com ele através da oração. PELA ORAÇÃO
TRABALHAMOS COM DEUS PELO CUMPRIMENTO DE SUA VONTADE.

b) Isto funciona assim:
 Deus concebe a sua vontade.
 Ele revela a sua vontade.
 O homem pede a Deus pela sua vontade; (Mateus 6.10)
 Deus cumpre a sua vontade.

Este é um princípio que Deus estabeleceu para cumprir sua vontade. Ele espera que seus filhos
lhe peçam, do contrário a vontade de Deus não se cumprirá (Isaías 45.11; Ezequiel 36.37).
Devemos pedir em nome de Jesus (João 14.13,14; 16.23-24). Pedir no nome de Jesus é pedir
em lugar dele, isto é, de acordo com os interesses dele; pedir o que ele pediria porque é da sua
vontade.

1.2. COMO JESUS ENSINOU A ORAR?

a) SINCERIDADE (Mateus 6.5,6);
b) SIMPLICIDADE;
c) HUMILDADE (Lucas 18.9-14);
d) PERSISTÊNCIA (Lucas 11.5-8);
e) INTENSIDADE (Lucas 11.9-10), isto é, com desejo intenso.

1.3.ALGUNS CONSELHOS PRÁTICOS.

a) Oração sozinho (Mateus 6.5-6).
 Tenha um tempo específico para oração (Salmo 5.1-3). O melhor horário para a maioria
das pessoas é pela manhã quando existe silêncio e não se começou nenhuma atividade
(Levítico 6:12; Salmo 5:3; 30:5; 59:16; 90:14; Lamentações 3:25).
 Antes de orar por qualquer assunto trate com o coração (Salmo 17:3; 19:14: 26:2; 66:18).
Nossa consciência tem que estar completamente limpa.
 Faça uma lista de oração prática e específica, incluindo os familiares, contatos, líderes da
Igreja, governantes, inimigos (aqueles que te perseguem por causa da justiça) e irmãos
perseguidos ao redor do mundo.

b)Oração junto com os irmãos (Mateus 18.19-20; Atos 2.42; 4.23-31).
 Devemos ficar sensíveis para perceber a direção e a carga do Espírito Santo.
 Todos podemos orar por um mesmo assunto, até que tenhamos coberto todos os detalhes.
 Todos devemos participar. Esse aspecto é importante porque a oração da Igreja é
primordial para o cumprimento do propósito de Deus. Coisas importantes aconteceram
quando a Igreja orava junta. Veja só:
 Receberam o batismo com o Espírito Santo (Atos 2:1-4)
 O lugar onde oravam tremeu durante a oração e todos foram cheios do Espírito (Atos 4:31)
 Pedro foi libertado da prisão (Atos 12:5-9)
 Paulo e Barnabé são chamados para o apostolado (Atos 13:1-4)
Quando nos reunimos com outros irmãos para orar se dá oportunidade para a operação dos
dons do Espírito.

Orai sem cessar (I Tessalonicenses 5:17)
Não andeis ansiosos por coisa alguma; antes em tudo sejam os vossos pedidos conhecidos
diante de Deus pela oração e súplica com ações de graças; e a paz de Deus, que excede todo
o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos pensamentos em Cristo Jesus.
(Filipenses 4:6,7)

Escola da Vida com Deus - Pastor Josias Moura

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

A PALAVRA VIVA

Nossa atitude com respeito à Palavra determina o lugar que Deus ocupará em nossa vida diária.
A Palavra deveria ser sempre o Pai falando conosco. Ela nunca deveria ser como uma mensagem de um livro comum. Ela deveria ser tão real para você como se o Mestre se levantasse na quarto e falasse para você pessoalmente. Esta Palavra foi designada pelo Pai para tomar o lugar de Jesus na ausência Dele. Quando Ele diz: “O Pai, Ele mesmo ama você”, isto é uma mensagem pessoal ao seu coração. Quando o Senhor diz novamente: “Se um homem me ama, guardará minha palavra; E o Pai e Eu o amaremos e faremos nossa morada com ele”, isto deveria ser como se você fosse à única pessoa no mundo.
É exatamente como se você estivesse sentado aos pés de Jesus, e Ele olhasse em seu rosto e dissesse: “O Pai e Eu viremos e faremos nossa morada com você”. “Não esteja desanimado, porque Eu Sou teu Deus”. “Eu serei tua força; Eu fornecerei para você minha própria habilidade”.
Quando a fraqueza vier, lembre-se que Eu Sou a força da sua vida”.
Quando você precisar de finanças, lembre-se que Eu disse: “meu Pai sabe que você tem necessidade de todas estas coisas”.
Você pode murmurar para o seu próprio coração: “meu Pai suprirá cada uma das minhas necessidades. Ele conhece minhas necessidades e me ama. Ele e eu somos um”.

A palavra do homem é normalmente morta antes que a editora tenha terminado seu trabalho. Poucas
palavras de um homem permanecem após uma geração, mas a palavra de Deus é diferente, Ela está impregnada com a própria vida de Deus, Ela é eterna. Hebreus 4.12-13 nos dá uma ilustração: (Tradução de Moffatt) “Porque o Logos de Deus é vivo, ativo, e mais cortante que qualquer espada de dois gumes, penetrando exatamente na divisão da alma e espírito, juntas e medulas, - examinando os pensamentos e planos do coração. E não há criatura alguma encoberta diante dele; todas mentiras se esclarecem e são expostas diante dos olhos dAquele a quem nós temos que prestar contas”.
Esta é uma das mais notáveis declarações sobre a Palavra nas Epistolas. Perceba no verso 13: “E não há criatura alguma encoberta diante dele”. De quem ele está falando? A Palavra viva - O Logos.
“todas as mentiras se esclarecem e são expostas diante dos olhos dAquele a quem nós temos que prestar contas”.
A Palavra se torna uma personalidade; Ela se tornou o próprio Cristo.
Nosso contato com o mestre, então, é através da Sua Palavra.
Você percebeu: “Diante dos olhos dAquele”. 
A  Palavra então tem olhos. Ela vê nossa conduta, nossa atitude com respeito a Ela. Ela é viva.

Do livro: Realidades da Nova Criação Uma Revelação da Redenção Por E. W. Kenyon.